TURISMO & HISTÓRIA

Notas para um jornalismo literário e histórico

 
 
  • Thomas Bruno Oliveira

Cauaçú beijando Boi Só

Casa sede da antiga Fazenda Boi Só

Na antiga Fazenda Boi Só, no coração da capital paraibana, houve um encontro simbólico com a Fazenda Cauaçú lá dos Cariris Velhos, da Serra Branca de outrora, aquela mesma criada pelo alferes Amaro da Costa Romeu Filho no início do século XIX. Essa emblemática reunião sentimental foi proporcionada pelo lançamento do livro ‘Reminiscências’ (Ideia, 341p.) do querido amigo Berilo Ramos Borba. Nele, suas recordações mais preciosas foram unidas em uma explanação instigante com uma riqueza de detalhes que a impressão que nos dá é que a obra foi sendo escrita por toda sua vida e só agora publicada. São muitas cores e cheiros que tornam a narrativa biográfica não só interessante como de uma leitura prazerosa, ficando no fim o gosto de “quero mais”, e olhe que não é comum de um só fôlego ler quase quatrocentas páginas.


Berilo em seu discurso

Sabia que o lançamento seria uma festa, uma celebração à história e trajetória do nosso amigo Berilo e, junto com outro amigo serrabranquense, o Prof. José Pequeno (Zezito), desci o Planalto da Borborema no cair da tarde da última sexta-feira (1-XI-19) para celebrar com amigos e familiares esse momento histórico.


Na ida, Prof. Zezito e eu tratamos de fazer nossas reminiscências com relação a Berilo. Lembrei quando o conheci há pouco mais de dez anos em uma prazerosa conversa sobre as coisas do Cariri, isso lá em Serra Branca mesmo, oportunidade em que também conheci sua Dora, grande intelectual que no momento lançara seu ‘Saberes e fazeres do povo’, um diagnóstico fiel do patrimônio cultural do povo paraibano. Zezito me lembrava quando eu os apresentei em Campina Grande em 2014, momento onde a centelha ufana dos Cariris Velhos transformou ideias em atos concretos e desse encontro criamos juntos o Instituto Histórico e Geográfico de Serra Branca, a Casa Dias Borba.


No início da noite chegamos ao Alphaville, condomínio construído em 2008 em terras da antiga Fazenda Boi Só que, ao contrário da ideia de um solitário animal, vem da interpretação errônea de um antigo proprietário, o francês Boisôt. Na propriedade, desde 1980 que a casa sede e a capela foram tombadas pelo IPHAEP através do Decreto nº 8.656 devido a sua importância dentro do contexto urbanístico e histórico da capital. Estacionamos o carro por trás da capela e caminhamos até a casa sede, muito bem preservada. Entrar naquela construção, pisar naquele mosaico, observar seus arcos, bandeiras de porta, é como ser transportado a um passado longínquo, mágica proporcionada pela importante preservação. O jardim harmoniza o conjunto, toques naturais e singelos. Por ali caminhamos até o salão de festas e fomos recebidos pelo casal Berilo e Dora Borba, ambos disseram: “Que bom, o Cariri chegou!”.


Prof. Zezito, Thomas, Berilo e Dora Borba

Em alguns minutos teve início a cerimônia, e pela primeira vez eu vi uma mesa de autoridades se espalhar pelo público presente, não possuindo mais espaços na mesa, as duas primeiras filas de espectadores foi ocupada por diversas outras autoridades que ali estavam (dos poderes constituídos à instituições culturais), onde me juntei por ser convidado a representar o Instituto Histórico e Geográfico do Cariri. Prof. Zezito (à mesa) representou o IHGSB. Com isso não quero dizer que o lançamento teve um caráter elitizado, e sim demonstrar com esse prestígio o quanto Berilo é querido e como sua trajetória foi marcante na vida de muitos caririzeiros e paraibanos, desde sua fazenda Cauaçú até o reitorado numa UFPB que ia de João Pessoa à Cajazeiras; dos tempos de seminário aos tempos de secretário de estado. Prestígio de uma vida honrada, de uma conduta ilibada, de uma pureza de caráter admirável e de uma atenção a todos, sobretudo aos amigos que a vida lhe presenteou.



No fim, voltamos a casa sede para um coquetel, momento animadíssimo ao som da Marinês, cantora amiga da família que na música levanta a bandeira do forró pé-de-serra, do xaxado e do baião (tinha mesmo que ser Marinês!). Como deveria ser, o forró tomou conta da Fazenda, reminiscências das enluaradas noites de São João, tão vivas e genuínas no Mundo-Sertão. Cauaçú beijando Boi Só, num elo sentimental e afetivo emocionante.



#Cauacu #FazendaBoiSo #JoaoPessoa #Paraiba #Fotografia #SerraBranca #MundoSertao #Cariri #CaririsVelhos #Lancamento #BeriloBorba #Historia #Memoria #Livro #ThomasBruno #Escritor #UFPB #IPHAEP

54 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
PR Eletro.JPG
Fabio Santana Corretor.JPG
King Flex.JPG
Anne Closet.JPG
pizza.JPG
 
 
DSC_4252.JPG

ENTRE EM CONTATO

  • twitter
  • instagram
  • facebook

Obrigado pelo envio!

 
DSCF2988.JPG

DANDO INÍCIO

O começo

Durante anos temos viajado por diversos lugares para o desempenho de pesquisas e também para o deleite do turismo de aventura. Como um observador do cotidiano, das potencialidades dos lugares e das pessoas, tenho escrito muitas dessas experiências de centros urbanos como também de suas serras, montanhas e rios. Isso ocasionou a inspiração de algumas pessoas na ajuda em dicas de viagem.
Em 2005, iniciamos uma série de crônicas e artigos no Jornal Diário da Borborema, em Campina Grande-PB e após anos, assino coluna nos jornais A União e no Contraponto. Com o compartilhamento das crônicas, amigos me encorajaram e finalmente decidi entrar nas redes.
Aqui estão minhas opiniões, paixões, meus pensamentos e questionamentos sobre os lugares e cotidiano. Fundei o Turismo & História com a missão de ser uma janela onde seja possível tocar as pessoas e mostrar um mundo que quase não se vê, num jornalismo literário que fuja do habitual. Aceita o desafio? Vamos lá!

Vamos conectar