TURISMO & HISTÓRIA

Notas para um jornalismo literário e histórico

 
 
  • Thomas Bruno Oliveira

A Goiana de Camilo e o IHAGGO

Atualizado: 17 de mai. de 2021


Casarão do Poeta Adelmar Tavares, Sede do Ihaggo

Era tarde de uma quinta-feira, a última de agosto desse dezenove que, aliás, tem transcorrido velozmente. Descemos o Planalto da Borborema: Prof. Josemir Camilo, o poeta José Edmilson Rodrigues e eu. Nosso destino foi a histórica cidade pernambucana de Goiana onde à noite iríamos prestigiar a Sessão Magna comemorativa dos 149 anos do IHAGGO – Instituto Histórico, Arqueológico e Geográfico de Goiana. O Ihaggo é o primeiro Instituto Histórico de caráter municipal criado no Brasil e Goiana, zona limítrofe de Pernambuco com a Parahyba, compõe uma região de grande relevância histórica, palco de inúmeros conflitos e decisões importantes.


Poderíamos ir pelo caminho convencional, seguindo a BR 230 até a 101 (em João Pessoa), estrada duplicada, segura, mas pouco inspiradora. Preferimos seguir “por dentro”, o que não quer dizer irmos pelo Boqueirão de Gurinhém / Itabaiana (como fazia a viação Progresso), mas ainda mais por dentro, por Ingá. As estradas que pegaríamos em seguida, todas estaduais, possuem menos estrutura, porém, maior contato com as cidades, com as gentes desses lugares, com a história. Assim, passamos por Ingá e seguimos rumo a Mogeiro com sua antiga distinção entre Mogeiro de cima e Mogeiro de baixo, unificadas na emancipação em 1961. Lamentei ver a modificação na igreja de Nossa Senhora das Dores, sua arquitetura centenária foi em parte modificada, acrescentaram cúpulas piramidais nas laterais formando torres. Soube que a reforma foi em 2016, uma pena.


No caminho de Itabaiana, Prof. Camilo reconheceu o ambiente e anunciou que chegávamos às terras da Fazenda Ramalho, d’onde seu pai e tios penaram em relações arcaicas de trabalho que sempre massacravam o pequeno agricultor. Em Itabaiana, rodamos as ruas centrais admirando o casario, a matriz, o coreto. Atentos a toda aquela arquitetura, passamos pelo cemitério da Boa Morte e nos despedimos rumo a Juripiranga. Aquela rodovia, a PE 075 é o caminho dos canaviais, mas como está maltratada! Há trechos em que as duas faixas se resumem a um só lado, o risco é constante. Passamos por Caricé e pelo bem conservado engenho Uruaé. Chegando a Goiana, ainda claro, fizemos um percurso por seus marcos históricos e também pelos caminhos do Josemir Camilo em lembranças caras de sua mocidade. A esse tempo, Edmilson e eu éramos afortunados por histórias cativantes, Camilo fazia uma arqueologia urbana, transcendendo o tempo e compondo uma cidade que ainda possui vários de seus marcos, mas inúmeras mudanças que o tempo e as novas necessidades impuseram.


Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos

Paramos defronte à igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, onde funciona excepcionalmente a matriz que, em reforma, encontra-se fechada. Ali Camilo chamou a atenção de uma data quase imperceptível, no frontispício há dois peixes em pedra. Rapidamente fizemos algumas fotos e descobrimos a mensagem (ANNO De18XXXVI), se referindo ao ano de 1836. Mas como? O Barroco flamejante do templo deveria evocar uma construção bem mais antiga, seria então um Barroco tardio? A priori, identificamos que os peixes, apesar da simbologia, destoavam do conjunto. Até a pedra que forjou o ornamento parecia ser mais recente que a cantaria do conjunto. Seria aquela data referente a uma reforma? Suposições... Fomos a Praça Frei Caneca contemplar o conjunto Carmelita e nas costas, ao longe, a imponente matriz.


Conjunto Carmelita de Goiana

O sol se despedia, o amarelo-rubro do ocaso foi sendo gradativamente tomado pelo entediante amarelo dos postes... continuamos o passeio. Os vestígios do tempo transmutavam-se com a poeira do presente. Ruas que em outrora possuía canteiros no centro, perderam o seu aprazível charme e também o seu tempo; hoje o asfalto e os transportes em pressa constante pouco lembram aquela Goiana onde se andava a pé. Uma cidade sensível nos foi descortinada; fomos à baixinha, vila operária antiga. Empolgantes lembranças de uma cidade que Camilo conhece como a si próprio; devagar passamos pela rua das Laranjeiras, em parte modificada, mas conservando ainda o número 94, onde ele viveu.


Mesa solene e o Presidente Harlan Gadelha em discurso

José Edmilson, Harlan Gadelha, Josemir Camilo e Thomas Bruno

A hora chega e vamos para o antigo Casarão do Poeta Adelmar Tavares, a sede do Ihaggo, onde fomos muito bem recebidos por seu Presidente, o Harlan Gadelha. A sessão, que também comemorava os 198 anos da criação da Junta Governativa de Goiana (antecipando os acontecimentos de 1822) contou com a música da sesquicentenária banda Curica, a mais antiga da América Latina em atividade; e em um momento especial houve a entrega do título de sócio correspondente a dez intelectuais, dentre eles, o Prof. Camilo. Justa homenagem do Ihaggo a esse recifense cuja relação afetiva com Goiana é imensurável.


Leia, curta e compartilhe com quem você mais gosta!


Publicado na coluna 'Crônica em destaque' no Jornal A União de 7 de setembro de 2019.


169 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
PR Eletro.JPG
Fabio Santana Corretor.JPG
King Flex.JPG
Anne Closet.JPG
pizza.JPG
 
 
DSC_4252.JPG

ENTRE EM CONTATO

  • twitter
  • instagram
  • facebook

Obrigado pelo envio!

 
DSCF2988.JPG

DANDO INÍCIO

O começo

Durante anos temos viajado por diversos lugares para o desempenho de pesquisas e também para o deleite do turismo de aventura. Como um observador do cotidiano, das potencialidades dos lugares e das pessoas, tenho escrito muitas dessas experiências de centros urbanos como também de suas serras, montanhas e rios. Isso ocasionou a inspiração de algumas pessoas na ajuda em dicas de viagem.
Em 2005, iniciamos uma série de crônicas e artigos no Jornal Diário da Borborema, em Campina Grande-PB e após anos, assino coluna nos jornais A União e no Contraponto. Com o compartilhamento das crônicas, amigos me encorajaram e finalmente decidi entrar nas redes.
Aqui estão minhas opiniões, paixões, meus pensamentos e questionamentos sobre os lugares e cotidiano. Fundei o Turismo & História com a missão de ser uma janela onde seja possível tocar as pessoas e mostrar um mundo que quase não se vê, num jornalismo literário que fuja do habitual. Aceita o desafio? Vamos lá!

Vamos conectar