top of page

TURISMO & HISTÓRIA

Notas para um jornalismo literário e histórico

Início: Bem-vindo
Início: Blog2
  • Foto do escritorThomas Bruno Oliveira

O cortiço, os garis e eu


Cortiço - Divulgação

NADA MAIS QUE DIFERENTE, a caminho de casa, parei em um boteco para tomar uma “lapada” de cachaça envelhecida nos frios barris de madeira de um velho engenho lá no brejo de Areia; estava com água na boca. O barzinho fica no subúrbio, bem longe do centro, onde se pode observar de perto a pobreza e seus rudimentos em toda sua inteireza. E me pego espiando um conjunto disforme de casas que mais parecia ter sido construído de improviso. Pela movimentação, descubro que é um cortiço, morando a dona na casa de frente para a calçada e em volta dela casas dispostas com alguns pavimentos, um beco de acesso aos quartos traseiros, uns sem reboco, outros ainda no tijolo em uma harmonia própria e desconcertante.


Dou uma encostada com os lábios no copo, aprecio o cheiro etílico e meu olhar continua a observar. Em instantes, uma discussão bem acalorada entre vizinhos que compartilham a mesma lavanderia, uma toalha sumiu. Aliás, muita gente ali falava alto, alguns aos gritos. É quando desce do terceiro pavimento um balde içado por uma corda, segurando a ponta, uma senhora que com aquele auxílio, faz subir um pequeno saco entregue por uma moça. A casa de baixo onde a dona do “império” mora, possui uma grade que parte dela invade a calçada como se outrora fosse uma garagem, agora, dentro, duas prateleiras com cigarros, pipocas, doces; ao lado, uma meia dúzia de garrafões de água mineral, uns cheios, outros vazios, era uma venda para complementar a renda. Numa cadeira de balanço, um garoto atrapalhadinho se desmancha em gargalhadas como se achasse graça em tudo. Uma carroça de burro cheia de areia passando era motivo para risada. Junto a alguns gestos esquisitos e tantas risadas, descobri que o jovem tinha algum transtorno. Bom para ele que tudo se escondia por trás de sorrisos. E assim vai seguindo a vida.


Garis e a limpeza urbana - André Borges, Agência Brasília

Finalmente tomo o primeiro gole. Cachaça de primeira viu? Comento com o dono do bar ao mesmo tempo em que balanço circularmente o copo. O tom amadeirado dá um perfume e gosto bem especial. Na ponta da rua, subindo a ladeira, os garis cumpriam a árdua e tão importante função de apanhar o lixo disposto nas calçadas. Roupa grossa e luvas se faziam importantes para a salubridade daqueles dois trabalhadores, mas o sol, todo imperioso, transformava aqueles corpos em verdadeiras estufas. No pé da calçada do bar, o lixo dos últimos dois dias em sacos pretos era pego por um deles. Dou um caloroso bom dia – era por volta do meio-dia – e ele me responde com um pouco de espanto, parece que aquele ato não é corriqueiro. Ele cumprimentou. Ofereci-lhe guaraná, pedi que chamasse seu companheiro de corrida. O carro deu uma descidinha e os três se refrescaram rapidamente com aquele litro verde. O ar de contentamento dos três era tão grande que fazia gosto. Um deles me disse: “se todo muito fosse igual ao senhor, esse mundão era diferente. Além do refrigerante o senhor falou com a gente. Sabe o que a gente passa por aí? Parece que não é ninguém que tá atrás dessa farda, só porque a gente meche com lixo”. “Gente mal-educada rapaziada, liga não, vocês são essenciais para a cidade. Vê só, imagina uma greve de vocês por uma semana? A cidade para, nas rádios vão meter o pau no Prefeito... Vão na fé e sigam com Deus”, respondi.


Fiquei a refletir como a sociedade é injusta. Alguém formado em direito ou em medicina recebe fino trato em muitos lugares. “O doutor deseja alguma coisa?” e todo tipo de regalia é ofertada. Já um gari acaba sendo invisível na hipocrisia reinante numa realidade que, inclusive, não valoriza seus professores, mas essa é uma outra discussão. Voltemos àquela rua e ao curioso cortiço. Peço outra dose a Seu João, momento em que começa uma chuva fininha que vai engrossando e um corre-corre na casa vizinha denuncia uma goteira. Um morador do cortiço é logo acionado. Magrinho, de bigode, sobe no telhado sem quebrar uma só telha. É quando Seu João me diz quase no ouvido: “esse magro aí parece um gato no telhado, dizem que é um ladrão fino, a dona da casa não se cuide não... disseram que até cadeia já pegou”.


E assim continuei observando a simplicidade daquelas pessoas e como vivem sua humildade com arte e criatividade e jamais esquecerei o sorriso daquele gari ao saciar sua sede que não era só fisicamente, mas de reconhecimento.


Leia, curta, comente e compartilhe com quem você mais gosta!


Publicado na coluna 'Crônica em destaque' do Jornal A UNIÃO em 30 de março de 2024.

203 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo

Duas irmãs

2件のコメント


paulopaulo13oliveira
paulopaulo13oliveira
4月14日

Uma garotinha disse ao pai: "Papai, lá vem o povo do lixo", se referindo ao carro de coleta, Não, disse o pai, o povo do lixo somos nós, eles são o povo da limpeza! Seria bom que todos tivessem essa consciência! Como sempre, uma excelente crônica Professor Thomas, parabéns!!!

いいね!

Marcelo Reul
Marcelo Reul
4月09日

Verdade mesmo professor Thomas, àqueles que fazem o serviço mais insalubre e essencial, são justamente os que são mal remunerados e se tornam invisíveis para a própria sociedade a que eles servem. Injustiça!

いいね!
PR Eletro.JPG
Fabio Santana Corretor.JPG
King Flex.JPG
Anne Closet.JPG
pizza.JPG
Início: Galeria de foto
Início: Blog Feed
DSC_4252.JPG

ENTRE EM CONTATO

  • twitter
  • instagram
  • facebook

Obrigado pelo envio!

Início: Contact
DSCF2988.JPG

DANDO INÍCIO

O começo

Durante anos temos viajado por diversos lugares para o desempenho de pesquisas e também para o deleite do turismo de aventura. Como um observador do cotidiano, das potencialidades dos lugares e das pessoas, tenho escrito muitas dessas experiências de centros urbanos como também de suas serras, montanhas e rios. Isso ocasionou a inspiração de algumas pessoas na ajuda em dicas de viagem.
Em 2005, iniciamos uma série de crônicas e artigos no Jornal Diário da Borborema, em Campina Grande-PB e após anos, assino coluna nos jornais A União e no Contraponto. Com o compartilhamento das crônicas, amigos me encorajaram e finalmente decidi entrar nas redes.
Aqui estão minhas opiniões, paixões, meus pensamentos e questionamentos sobre os lugares e cotidiano. Fundei o Turismo & História com a missão de ser uma janela onde seja possível tocar as pessoas e mostrar um mundo que quase não se vê, num jornalismo literário que fuja do habitual. Aceita o desafio? Vamos lá!

Vamos conectar
Início: Sobre
bottom of page