top of page

TURISMO & HISTÓRIA

Notas para um jornalismo literário e histórico

Início: Bem-vindo
Início: Blog2
  • Foto do escritorThomas Bruno Oliveira

Impressões da Cidade Maravilhosa


Visão do Mirante do morro Dona Marta

ERA NOVE DA MANHÃ da última sexta-feira quando parti da quente Recife em um Boeing 737 para o Rio de Janeiro. Estava em família e prestes a realizar um velho sonho do meu pai. Seu Paulo Roberto, nos tempos de Marinha, morou cinco anos na Cidade Maravilhosa e desde muito tempo que nutria o sonho de que conhecêssemos com ele as belezas do Rio. E não é que chegou a hora? Vi mais uma vez o mundo do alto, a pequena janela do avião mostrava o quanto somos miúdos perante um mundão que se descortinava entre nuvens. Por volta do meio-dia, prestes a posar no Galeão, passamos por uma pequena turbulência, mas que alvoroçou muitos passageiros. Alguma corrente de ar veio mais forte por entre as colinas escarpadas do Rio, causando a instabilidade. Já no chão, só se ouvia sorrisos e palavras de alívio.


Apesar da primavera, a capital fluminense não parecia em nada com a cidade sangue quente do Brasil, nos dizeres de Fernanda Abreu. Uma frente fria tingiu o céu de tons cinzas e o pico das colinas e morros eram envoltos em uma névoa que despertava sobriedade e reclusão. Mas isso foi até sair do aeroporto Tom Jobim. Já nele, sentimos a quentura. Não os 40ºC da famosa música, mas poderia estar bem próximo. Do taxi, seguimos para o nosso destino, um hotel em Copacabana há duas quadras da praia mais famosa do Rio. No veículo, testemunhei a simpatia do taxista, uma alegria genuína, sem dúvidas, um bom cartão de visitas. Ao mesmo tempo que ouvia suas histórias, inclusive de seus parentes nordestinos, a sua origem; via pela janela com curiosidade os contornos da cidade. Nas vias principais, notei o isolamento delas dos arredores por muros, muretas. Com certa dificuldade vi em algumas frestas, buracos ou mesmo morros que se erguiam, o que se tratava: traduziam a vontade de isolar, de esconder aqueles periféricos de quem saía do aeroporto, uma segregação que ouvi falar nos tempos da Copa e Olimpíadas em 2014 e 16 respectivamente.


Orquídeas em troncos de árvores, algo comum nas muitas árvores de Copacabana

Do alto de um viaduto, enxergo o Cristo e seu pleno destaque no horizonte de um lado e o cemitério do Caju do outro, antigo ‘Campo da Misericórdia’ com funcionamento desde 1839. Com tantos elevados, morros, colinas, é interessante observar as saídas urbanísticas que o Rio encontrou para poder se estabelecer. Aterros, túneis, viadutos, pontes e um trânsito frenético, ligeiro, sem tempo para ponderar: “Não dá tempo pensar, é agir e pronto”, disse o taxista Vando, um dos quase 35 mil taxistas do Rio, maior concentração do país, isso sem falar nos carros de aplicativo que tem número cinco vezes maior segundo a Secretaria Municipal de Transportes.


Prédios históricos começam a surgir, até que passamos no aterro do Flamengo e na praia de Botafogo, um conjunto belíssimo com a costa em arco de onde é possível ver o morro da Urca e o Pão de Açúcar, logo abaixo a Praia Vermelha (não é Tim Maia?). Ali é como uma chancela de que realmente estávamos na Cidade Maravilhosa. Seguimos para Copacabana, uma praia de uma beleza estética incrível, favorecida com a mudança do estacionamento que não beija mais o calçadão e sim as fraudas dos prédios, permitindo a contemplação da paisagem. Calçadão com seus tradicionais desenhos sinuosos em pedra portuguesa (que insistiram em retirar das praças de Campina Grande) e pisado por muita gente de um lado a outro. Em um lapso, cantarolei Tom Jobim: “Existem praias tão lindas cheias de luz / Nenhuma tem o encanto que tu possuis”, e naquele momento, como os milagres cariocas em que o tempo muda “e o sol sai” (como dizem os praieiros), o céu se tingiu de azul e o sol derramou sua luz dourada, uma graciosa oferta da natureza à nossa chegada.


Entra rua, sai rua. Copacabana parece ser um bairro sóbrio, ameno em seu âmago, intenso em sua orla.


Saltei do táxi na calçada do hotel Astoria, queríamos curtir o pôr do sol na Urca, mas o tempo decidiu o roteiro por nós. Bagagens nos aposentos, uma chuveirada e pés na rua. Eu queria andar, precisava. Para Balzac, as ruas de Paris dão impressões humanas. Já para o cronista do Rio – o João do Rio – são assim as ruas de todas as cidades, com vidas e destinos iguais aos do homem. O que era Copacabana nos anos de 1800? A cidade só a descobriu muitas décadas depois e hoje cartão postal nacional. Calçadas cobertas por pedras portuguesas, prédios altos, árvores de grande porte e quase todas elas com uma singeleza em seus troncos, entre galhos grossos ou em jarrinhos fixos com arames, orquídeas e lírios plantados, uma belezura daquelas ruas sossegadas. Um caminhante disse ser obra de porteiros dos prédios, sem dúvida alguma, encantador. Nas artérias principais, como a Barata Ribeiro, barzinhos e choperias bem casuais e atraentes, além de cafés aconchegantes.


Aqueduto da Carioca, os Arcos da Lapa

Almoço agora e mais tarde visita à Lapa do aqueduto da carioca com seus inconfundíveis arcos e os barzinhos temáticos que dizem ser apaixonantes. Hoje é sexta, sem dúvidas uma boa pedida. E Nelson Gonçalves em meu ouvido: “Lapa, ó minha Lapa boêmia / A Lua só vai pra casa depois do Sol raiar”. A semana promete.


Veja também a crônica 'Primeiras impressões da Boa Terra' no link


Leia, curta, comente e compartilhe com quem você mais gosta!


Publicado na coluna 'Crônica em destaque' no Jornal A União com o título 'Impressões do Rio' em 15 de outubro de 2022.

272 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo

Oh Bahia

2 Comments


Marcelo Reul
Marcelo Reul
Oct 18, 2022

Prezado Professor Thomas!


Nessa (crônica) mais que nunca, você foi muito inspirado para retratar as minucias e detalhes de uma viajem maravilhosa.

Aguardamos novas crônicas com a continuação deste relato, pois sabemos que foram várias visitas a locais históricos.


Obrigado por nos levar em suas viagens.

Like
Thomas Bruno Oliveira
Thomas Bruno Oliveira
Nov 04, 2022
Replying to

Muito obrigado pela leitura Marcelo, esteja sempre conosco. Grande abraço!

Like
PR Eletro.JPG
Fabio Santana Corretor.JPG
King Flex.JPG
Anne Closet.JPG
pizza.JPG
Início: Galeria de foto
Início: Blog Feed
DSC_4252.JPG

ENTRE EM CONTATO

  • twitter
  • instagram
  • facebook

Obrigado pelo envio!

Início: Contact
DSCF2988.JPG

DANDO INÍCIO

O começo

Durante anos temos viajado por diversos lugares para o desempenho de pesquisas e também para o deleite do turismo de aventura. Como um observador do cotidiano, das potencialidades dos lugares e das pessoas, tenho escrito muitas dessas experiências de centros urbanos como também de suas serras, montanhas e rios. Isso ocasionou a inspiração de algumas pessoas na ajuda em dicas de viagem.
Em 2005, iniciamos uma série de crônicas e artigos no Jornal Diário da Borborema, em Campina Grande-PB e após anos, assino coluna nos jornais A União e no Contraponto. Com o compartilhamento das crônicas, amigos me encorajaram e finalmente decidi entrar nas redes.
Aqui estão minhas opiniões, paixões, meus pensamentos e questionamentos sobre os lugares e cotidiano. Fundei o Turismo & História com a missão de ser uma janela onde seja possível tocar as pessoas e mostrar um mundo que quase não se vê, num jornalismo literário que fuja do habitual. Aceita o desafio? Vamos lá!

Vamos conectar
Início: Sobre
bottom of page