top of page

TURISMO & HISTÓRIA

Notas para um jornalismo literário e histórico

Início: Bem-vindo
Início: Blog2
  • Foto do escritorThomas Bruno Oliveira

Zé Marcolino ligando o Cariri


Poeta Zé Marcolino - Overmundo

JÁ DIZIA CRISTINO PIMENTEL que mudar o nome de uma rua é o mesmo que mudar um destino. E o que dizer de pretender mudar a nomenclatura de um anel viário completo composto por nove rodovias estaduais interligando-as a uma rodovia federal? Pois foi exatamente isso que propôs o deputado estadual paraibano Michel Henrique no autógrafo nº192/2023 cujo projeto de lei tem o nº34/2023 e tinha a intenção de denominar de ‘Deputado João Henrique de Souza’ a malha viária “Anel do Cariri”, que interliga os municípios de Monteiro, Zabelê, São Sebastião do Umbuzeiro, São João do Tigre, Camalaú, Congo, Caraúbas, São Domingos do Cariri, Cabaceiras, Boqueirão e Queimadas. Nada de anormal para as casas legislativas que se fartam em denominar ruas e logradouros públicos, o grande problema, neste caso, é que a obra ‘Anel Viário do Cariri Paraibano’ foi batizada ainda em 2012 pela mesma assembleia com o nome do saudoso José Marcolino Alves, o nacionalmente conhecido poeta José Marcolino. Interessante é observar que o projeto aprovado despreza totalmente a existência de uma denominação para aquele conjunto de rodovias, apenas a tratando como ‘Anel do Cariri’, evidenciando um grande desprezo a memória do poeta e ao projeto lei nº9.747 do Deputado Assis Quintans’


Portal do DER - ZabeleLigado

De maneira alguma tenho a pretensão em desonrar a memória do ex-deputado nem as benfeitorias que fez por todo o estado, principalmente no seu reduto político, o Cariri, mas acredito que há muitas possibilidades de homenageá-lo e o autor do projeto (filho do João Henrique) não terá dificuldade alguma de assim o fazer em outra ocasião. A assembleia legislativa aprovou o projeto três dias antes do tão festejado dia de São João, o que soou como ironia para músicos, cantadores e apreciadores da cultura nordestina.


Quem nunca dançou ‘Numa sala de rebôco’, ‘Pedido a São João’ ou ‘Cacimba Nova’, talvez não saiba que essas são só algumas composições em parceria que o poeta caririzeiro fez com Luiz Gonzaga, o Rei do Baião, em seus 57 anos de vida. Nascido em terras de São Tomé, viu sua cidade crescer, virar Sumé. A Serra do Sucurú foi sua visão, as cores, sons e cheiros do povo a sua inspiração, amalgamado na alma e cultura nordestina.



De origem humilde criou e viveu seu mundo de música, cantadores e menestréis; as terras e estradas do Cariri lhe são fiéis e não vão mudar assim de nome, como de destino. Morreu jovem, num sábado triste em setembro de 1987, um grande acidente lhe vitimou gravemente, uma vaca que atravessou seu caminho no vizinho Pajeú pernambucano. Há dezoito anos conheci uma de suas irmãs, Dona Jacinta Marcolino, moradora do município de Prata nos Cariris Velhos. Das histórias que me contou, sempre exaltou a simplicidade e a sensibilidade do poeta em tudo ver e transformar em poesia.


Dona Jacinta Marcolino em 27 de julho de 2005

No dia 04 de julho, por sensibilidade, atenção e respeito à nossa cultura, o Senhor Governador João Azevedo corrigiu o erro que seria cometido vetando totalmente o projeto lei pelo simples motivo da obra já ter outra denominação. Na sequência defendeu que qualquer lei que seja revogada deverá ser expressa no projeto lei, o que não foi. Além disso, o Departamento de Estradas e Rodagens – DER “instado a se manifestar, pugnou veto ao projeto de lei”.


Estive nos Cariris Velhos, meu Mundo-Sertão e ouvindo as rádios da região, deu para perceber a recusa de boa parte da imprensa e da população a mudança do nome, já que o Poeta Zé Marcolino é patrimônio cultural, histórico e sentimental do povo caririzeiro.


Aqui os versos incríveis de Ivanildo Vila Nova e Ton Oliveira. Deixo vocês com a primeira estrofe:


Seu ofício era a arte de cantar

Catedrático nas aulas da natura

Cinturinha de abelha era a cintura

Das morenas nas noites de luar

Afiou-se na pedra de amolar

Mas a pedra da morte é afiada

Ficou o barro batido da latada

Sem as marcas dos pés do dançarino

Uma vaca matou Zé Marcolino

E eu não dava José numa boiada.




Leia, curta, comente e compartilhe com quem você mais gosta!


Publicado na coluna 'Crônica em destaque' do Jornal A União em 15 de julho de 2023.

Posts recentes

Ver tudo

1 comentário


Marcelo Reul
Marcelo Reul
22 de jul. de 2023

Verdade!

Mudar o nome de um logradouro ou local público qualquer, de uma homenagem pessoal, para o de outra pessoa, é no mínimo desrespeitoso a memória, a cultura e aos familiares e ao povo daquele local.

Mas, graças a Deus, ainda existem pessoas comprometidas com o respeito ás leis e a cultura popular.

Obrigado governador João Azevedo!

Curtir
PR Eletro.JPG
Fabio Santana Corretor.JPG
King Flex.JPG
Anne Closet.JPG
pizza.JPG
Início: Galeria de foto
Início: Blog Feed
DSC_4252.JPG

ENTRE EM CONTATO

  • twitter
  • instagram
  • facebook

Obrigado pelo envio!

Início: Contact
DSCF2988.JPG

DANDO INÍCIO

O começo

Durante anos temos viajado por diversos lugares para o desempenho de pesquisas e também para o deleite do turismo de aventura. Como um observador do cotidiano, das potencialidades dos lugares e das pessoas, tenho escrito muitas dessas experiências de centros urbanos como também de suas serras, montanhas e rios. Isso ocasionou a inspiração de algumas pessoas na ajuda em dicas de viagem.
Em 2005, iniciamos uma série de crônicas e artigos no Jornal Diário da Borborema, em Campina Grande-PB e após anos, assino coluna nos jornais A União e no Contraponto. Com o compartilhamento das crônicas, amigos me encorajaram e finalmente decidi entrar nas redes.
Aqui estão minhas opiniões, paixões, meus pensamentos e questionamentos sobre os lugares e cotidiano. Fundei o Turismo & História com a missão de ser uma janela onde seja possível tocar as pessoas e mostrar um mundo que quase não se vê, num jornalismo literário que fuja do habitual. Aceita o desafio? Vamos lá!

Vamos conectar
Início: Sobre
bottom of page