TURISMO & HISTÓRIA

Notas para um jornalismo literário e histórico

 
 
  • Thomas Bruno Oliveira

Não quero mais!


Indústria Têxtil de Bodocongó e a Igreja de N. Sra. do Perpétuo Socorro em sua frente - RHCG

Não fiz a primeira comunhão, mas fui batizado, evitando que me tornasse pagão. Na minha rua, não lembro de nenhum dos amigos ter oportunidade de desfrutar desse contato com a vida religiosa. Não sei se a distância de um quilômetro entre nossas casas e a igreja de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro tenha nos apartado dessa liturgia, até porque havia o amedrontador matagal no fundo do vale recortado pelo riacho de Bodocongó com uma ponte estreita cheia de terra onde ônibus e carros passavam ligeiro, um risco eminente para qualquer pedestre, imagine para as crianças naquele tempo... íamos para a igreja quando alguém nos levava e pronto! Lembro até de ter frequentado algumas vezes uma igreja Batista, há alguns passos da esquina de nossa casa, com Mamãe e minha irmã, mas poucas vezes. A meninada era religiosa ao seu modo, rezar o Pai Nosso antes de dormir, agradecer a Deus as refeições e a saúde e respeitar os mais velhos, parar o jogo de bola quando passava um enterro, e por aí vai...


Enchia nossos olhos o culto católico. As novenas na rua no mês de maio, de casa em casa, onde uma moradora levava a cruz sagrada, todos empunhando velas acesas nas mãos, tudo causara curiosidade e encantamento em um rito pelas mulheres e os gestos e rezas repetidos pelas crianças. O Pai Nosso todos os garotos sabiam rezar, mas quem sabia recitar a Ave Maria, o fazia em tom mais alto e com uma plasticidade que chamava a atenção das mães que acenavam positivamente com a cabeça e também dos outros meninos, que eram tomados pela inveja, buscavam ali o reconhecimento, coisa de menino.


Das gavetas da memória jamais sumiram a cena de uma dessas novenas na casa da vizinha de frente, Rilene, que com sua mãe, a saudosa Dona Idalina (que nos deixou aos 102 anos) e sua filha Sone, recebia a vizinhança. E eu doido para segurar a vela, mas mamãe sem qualquer piedade não quis deixar. Eram tantas as pessoas que o terraço e a calçada de muro baixo foram ocupadas; o jardim exalava o perfume das rosas, adocicando o ar daquela noite. No fim, outra vizinha, a saudosa Lúcia, mãe de meu amigo Martiele, sai lentamente da casa empunhando a cruz sagrada no alto. Com feição séria e sob o silêncio de todos, só se escutava o arrastado de uma de suas chinelas em seu mancado característico. O vento gélido da noite mariana de Campina nos prostrava em reflexão, tinha absoluta certeza que Jesus e Maria estavam ali conosco. Dias depois, acompanhando Mamãe, integramos uma procissão que subia a rua oposta à nossa. Um copinho improvisado de papel impedia que a vela, ao centro, viesse a apagar. Na época era uma multidão, no olhar de hoje devia haver uns 120 fiéis. Fiquei tão encantado que passei a pedir aos meus pais para irmos à igreja, reclame atendido dias depois. Fui com Mamãe, meu pai ficou tomando conta da mercearia e da casa.


Antigo formato da Igreja N. Sra. Perpétuo Socorro - Redentoristas

A pé, junto a algumas vizinhas, vencemos o caminho até a igreja. O matagal do riacho era sempre um desconhecido e muitas histórias saíram dali, umas não tão agradáveis. Subimos a Rua Carlos Alberto Souza e no oitão da igreja vi os gigantes eucaliptos que, enfileirados, faziam as honras da Fábrica Têxtil, defronte a igreja. Caminhando mais um pouco, vi o frontão alto encimado por uma cruz, o tom amarelo e arqueado da entrada não me sai da memória. A missa acabara de começar. Sentamos atrás. Fica de joelho, levanta, reza, canta, senta... cumpri à risca com um orgulho de um garoto entre cinco ou seis anos. Jesus em sangue na cruz me comoveu. Pinturas, santos e cada vez mais o ambiente se tornara familiar. O padre, já idoso, tinha voz bela e ao mesmo tempo firme.


Finda a celebração, após a saudação corriqueira, levei muitos cheiros e afagos, me separei de Mamãe e fui ao altar, tudo muito bonito. Por uma saída lateral, vi uma senhora acendendo velas em um suporte que flamejava; aquele cheiro de fogo, cera e fumaça só cristalizava o que pensara naquele momento: – Quero ser padre! Disse a Mamãe e a suas amigas, entre sorrisos e um balbuciar “– Tá certo meu filho...”.


No fim da tarde, estava com Papai na mercearia. Havia um bureau de madeira clara com a gaveta onde o dinheiro era guardado, ali papai escrevia, fazia as contas, era seu tabuleiro onde só não passava mais tempo que encostado ao balcão. Ali ele me chamou: – Bruno, senta aqui. E, ao seu lado, fui escutar o que queria me dizer. Foi uma conversa comprida onde falava e desenhava, discorria sobre a reprodução humana. Cá pra nós, eu já sabia de alguma coisa; Tia Giseuda me chamava de enxerido na escola... Parece que estou vendo tudo novamente, ao desenhar o aparelho reprodutor feminino, eu só achava aquilo parecido com a cabeça de uma vaca. No fim ele sentenciou: – Se quiser ser padre, não pode namorar!


Açude de Bodocongó em 1970 - Edmilson Rodrigues do Ó (RHCG)

Aquela informação era demais para mim. Arriscando uns beijinhos em minhas primas e nas coleguinhas do colégio, me vendo longe daquilo, comecei a chorar: – Ah Papai, não quero mais!!! E aos berros, corro para falar a Mamãe. A ingenuidade clara do tempo não diverge da de hoje, porém, a gurizada atual se entretém com avanços tecnológicos de forma que, involuntariamente, a educação dos pais no sentido religioso vai se escasseando. Benção Mamãe? Benção Papai?

285 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo
PR Eletro.JPG
Fabio Santana Corretor.JPG
King Flex.JPG
Anne Closet.JPG
pizza.JPG
 
 
DSC_4252.JPG

ENTRE EM CONTATO

  • twitter
  • instagram
  • facebook

Obrigado pelo envio!

 
DSCF2988.JPG

DANDO INÍCIO

O começo

Durante anos temos viajado por diversos lugares para o desempenho de pesquisas e também para o deleite do turismo de aventura. Como um observador do cotidiano, das potencialidades dos lugares e das pessoas, tenho escrito muitas dessas experiências de centros urbanos como também de suas serras, montanhas e rios. Isso ocasionou a inspiração de algumas pessoas na ajuda em dicas de viagem.
Em 2005, iniciamos uma série de crônicas e artigos no Jornal Diário da Borborema, em Campina Grande-PB e após anos, assino coluna nos jornais A União e no Contraponto. Com o compartilhamento das crônicas, amigos me encorajaram e finalmente decidi entrar nas redes.
Aqui estão minhas opiniões, paixões, meus pensamentos e questionamentos sobre os lugares e cotidiano. Fundei o Turismo & História com a missão de ser uma janela onde seja possível tocar as pessoas e mostrar um mundo que quase não se vê, num jornalismo literário que fuja do habitual. Aceita o desafio? Vamos lá!

Vamos conectar