top of page

TURISMO & HISTÓRIA

Notas para um jornalismo literário e histórico

Início: Bem-vindo
Início: Blog2
  • Foto do escritorThomas Bruno Oliveira

O Maior São João do Mundo


Parque do Povo em 1986, Cartão postal

“Grande festa nordestina Forró a cada segundo Vamos fazer em Campina O maior São João do Mundo” (Ronaldo Cunha Lima em 1983)


O MAIOR FESTEJO JUNINO do planeta está completando 40 anos, o ‘Maior São João do Mundo’ é realizado durante 31 dias (esse ano, em 32!) e transforma a cidade de Campina Grande, no interior da Paraíba, em um dos maiores destinos turísticos de todo o país.


No dia 1 de junho aconteceu a abertura do evento no palco principal do Parque do Povo com o tradicional e bonito show pirotécnico ao som de “olha pro céu meu amor, vê como ele está lindo, olha pr’aquele balão multicor, como no céu vai sumindo”. A noite ficou marcada pela apresentação de Biliu de Campina e também contou com Alcymar Monteiro e um dueto composto por Chico César e Geraldo Azevedo, tendo a participação de Juliette. Um duelo de violões magnífico!


Show de abertura no palco principal - Codecom

Campina Grande sempre comemorou os festejos juninos desde tempos imemoriais e certa vez o Rei do Baião Luiz Gonzaga afirmou em entrevista: “o forró nasceu em Campina Grande!”. O ano era 1983; em pleno mês de junho, Campina Grande organizou o “Maior São João do Mundo”, uma festa onde a proposta foi organizar 30 dias seguidos de festejos, algo inusitado e fora dos padrões, apesar do São João na cidade já ser forte desde a década de 1970. Antes disso, Campina já realizava movimentadas festas juninas em lugares como a antiga Rua da Floresta (hoje João Lourenço Porto), a Vila do Sesc, o Clube dos Caçadores, Ypiranga, Gresse, o Campinense Clube e na área que seria construído o Parque do Povo, onde um grande palhoção (que originou a pirâmide) reunia populares para os festejos juninos em fins da década de 1970 e início dos anos 80. Havia inclusive um desfile de carroças ornamentadas puxadas por burros, que divertiam a população, uma atração a mais. O próprio Presidente da República João Figueiredo foi recebido pelo então prefeito Enivaldo Ribeiro em plena Praça da Bandeira com uma grande e animada quadrilha junina.


O Palhoção bem nas proximidades do que hoje é a Pirâmide, o forródromo - RHCG

Na área em que foi construído o Parque do Povo, existia uma comunidade pobre e um terreno “rural” conhecido como os ‘Coqueiros de Zé Rodrigues’. Em fins da década de 1970, o Prefeito Enivaldo iniciou a desapropriação desta área com o intuito de transformá-la em um espaço de lazer e convivência. Assim, Enivaldo constrói o Centro Cultural e urbaniza o lugar, dando início ao que anos após seria o Parque do Povo.


“Que esse meu gesto marque/ o nascer de um tempo novo/ o povo pediu um parque/ Eu fiz o Parque do Povo”, com esses versos, o Prefeito e Poeta Ronaldo Cunha Lima (que sucedeu Enivaldo) inaugurou o cenário d'O Maior São João do Mundo, o Parque do Povo em 1986, o epicentro desta gigantesca festa que a cada ano que passa se consolida como o coração dos festejos juninos no nordeste. O período é tão importante que é responsável por uma arrecadação bem superior ao mês de dezembro, segundo a CDL (Câmara dos Dirigentes Lojistas) e a Associação Comercial e Empresarial de Campina Grande. Para a Associação de barraqueiros e restaurantes, a festa deveria durar 60 dias.


Ronaldo nos braços do povo - RHCG

Com o passar dos anos, diversos espaços foram integrados à festa, numa perspectiva de ter o que oferecer ao turista festejos por todo o dia. Os clubes da cidade realizam concorridas festas como o Spazzio e Vila Forró, trazendo atrações renomadas em nível nacional; restaurantes (como o Bar do Cuscuz e Espetão) também são espaços bem concorridos, os shoppings promovem festas em suas praças de alimentação; há a organização de quadrilhas juninas e pavilhões em diversos bairros; restaurantes localizados em fazendas nos arredores de Campina também promovem festas como o ‘Rancho do Cajú’, ‘Morada da Pedra’, ‘Casa de Compadre’, ‘Parque das Pedras’ (dentre outros) além de estruturas que compõem a própria edilidade como o Museu do Algodão, o Centro Cultural, o Teatro Municipal e a Vila do Artesão. Há também a Vila Sítio São João, um imenso complexo cenográfico que nos leva a vida no interior de muitas décadas passadas, gestadas com esmero pelo amigo ativista cultural e cenógrafo João Dantas.


Campina é isso, o Maior São João é um espetáculo que transcende a própria festa e o povo se (co)move e resignifica tudo, adaptando-se a seu modo os novos tempos, sem jamais esquecer as tradições.


Leia, curta, comente e compartilhe com quem você mais gosta!


Publicado na coluna 'Crônica em destaque' do Jornal A União em 03 de junho de 2023.

407 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo

Oh Bahia

2 comentários


Membro desconhecido
10 de jun. de 2023

Que assim seja, anos afora, preservando nossas tradições e dando espaço para artistas nordestinos.

Curtir

Marcelo Reul
Marcelo Reul
10 de jun. de 2023

Sem comentários!


VIVA SÃO JOÃO!!! !!! !!!

Curtir
PR Eletro.JPG
Fabio Santana Corretor.JPG
King Flex.JPG
Anne Closet.JPG
pizza.JPG
Início: Galeria de foto
Início: Blog Feed
DSC_4252.JPG

ENTRE EM CONTATO

  • twitter
  • instagram
  • facebook

Obrigado pelo envio!

Início: Contact
DSCF2988.JPG

DANDO INÍCIO

O começo

Durante anos temos viajado por diversos lugares para o desempenho de pesquisas e também para o deleite do turismo de aventura. Como um observador do cotidiano, das potencialidades dos lugares e das pessoas, tenho escrito muitas dessas experiências de centros urbanos como também de suas serras, montanhas e rios. Isso ocasionou a inspiração de algumas pessoas na ajuda em dicas de viagem.
Em 2005, iniciamos uma série de crônicas e artigos no Jornal Diário da Borborema, em Campina Grande-PB e após anos, assino coluna nos jornais A União e no Contraponto. Com o compartilhamento das crônicas, amigos me encorajaram e finalmente decidi entrar nas redes.
Aqui estão minhas opiniões, paixões, meus pensamentos e questionamentos sobre os lugares e cotidiano. Fundei o Turismo & História com a missão de ser uma janela onde seja possível tocar as pessoas e mostrar um mundo que quase não se vê, num jornalismo literário que fuja do habitual. Aceita o desafio? Vamos lá!

Vamos conectar
Início: Sobre
bottom of page