top of page

TURISMO & HISTÓRIA

Notas para um jornalismo literário e histórico

Início: Bem-vindo
Início: Blog2
  • Foto do escritorThomas Bruno Oliveira

O terceiro não!


Casa Cide e a parada do 202 - google

UMA DAS COISAS mais desagradáveis pelas quais já passei foi assalto. Dá um aperto no coração, uma mistura de angústia e medo. E se tiver armado? E se achar que estou reagindo? O que poderá ocorrer? E temo, inclusive, por minha integridade física, por minha vida.


Não foram muitos em que fui vítima, também não presenciei tantos assim. Mas atualmente despejam em nossos noticiários uma quantidade cada vez maior de roubo, assalto e furto, potencializado em vídeos que nos enviam diariamente em redes sociais. Tudo isso só agrava o medo e também a revolta contra esses gatunos e que não nos permitem desfrutar de nossos bens, quer seja um celular, um relógio ou o velho trancelim. Falando em trancelim, acaba de vir em minha mente um episódio que ocorreu no largo do Mercado Modelo, em Salvador. Íamos ao elevador Lacerda para ter acesso ao Pelourinho, poucos passos adiante, ouço um grito. Meu tio Nando, que estava imediatamente atrás, foi atacado por dois adolescentes que puxaram violentamente o fino cordão de ouro (eles parecem conhecer muito bem!). Nem que quisesse reagir conseguiria, perante a rapidez e surpresa da ação. Dói, dói no coração.


A primeira vez que fui vítima, foi em uma quarta-feira por volta das seis e meia da manhã. Estava em uma parada de ônibus para ir à nova escola, esta no centro da cidade. Procurava me acostumar com a nova rotina depois de muitos anos ter estudado no bairro e ir caminhando ou de bicicleta. No dia anterior, havia ido ao Atacadão das Joias, uma loja que existia aqui em Campina e que vendia joias e relógios. Comprei um Technos com duplo visor, o analógico e um digital na porção inferior. Detalhes dourados que combinavam com uma pulseira em couro marrom com uma proteção embaixo da máquina, o nome da marca e o ‘T’ logo acima me agradou demais, meu T de Thomas estava ali. Minhas economias davam para bancar, custou R$45 divididos em três vezes. Hoje deveria ser uns trezentos reais. Na parada defronte à Casa Cide, esperava eu o 202 Transversal (aqui os nomes não fazem muito sentido, o que vale mesmo é o número da linha, diferente de Recife, por exemplo, que cansei de ir com um primo ao shopping pegando o ‘Totó-Boa Viagem’). Escorado no concreto do abrigo (feito pela saudosa Premol), senti um puxão no braço direito. – Não se mexa! Um cidadão mais alto e forte, cabelos encaracolados com cicatrizes no braço e umas poucas tatuagens esverdeadas. Ele desataca a fivela da pulseira violentamente, me manda ficar quieto e segue como se nada tivesse ocorrido. Momento em que o ônibus chega e no alto de meus catorze anos, contenho um choro pela perda e experiência nunca sentida. Meus pais só souberam no fim da aula e perguntaram o porquê de não ter voltado para casa. Nem eu sei direito.


Padaria à direita e a parada do 660 à esquerda - google

Meu tio Joãozinho, que acabara de chegar de Recife, compadecido, me deu um relógio Casio com calculadora, agenda e tudo mais. A rapaziada da época amava os Casio. Pois bem, no outro dia, fui para uma parada de ônibus em uma rua oposta para, dessa vez, pegar o 660. Defronte a uma padaria, lugar mais movimentado. Me sento no abrigo na companhia de meu caderno e quem senta ao meu lado? O mesmo sujeito que me roubou no dia anterior. Desta vez, ele carregava um pacote onde parecia conter uma arma. Foi olhando para meu relógio, não tive qualquer ação de correr, gritar. Olhei em seus olhos e travamos esse diálogo: ­– E esse relógio? – É meu! Respondi. – Eu vou levar. – Olhei bem e disse: – Rapaz, tu não lembra de mim não? (para sua cara de espanto) Tu passa por mim direto lá embaixo, onde moro. Até tu já levou um relógio meu e me prometeu que traria outro, lembra não? – Acho que tô lembrado. Mas eu preciso desse aí e pegou no meu braço. Puxei e respondi: – Rapaz, leve não... Repara mesmo, eu tentando convencer o ladrão a não me roubar. Foi quando agiu de maneira mais incisiva e mostrou o cabo de um punhal em sua cintura. Retirou o relógio com a mesma bruteza e desceu em direção ao cemitério. Me levantei como se nada tivesse acontecido e fui para casa.


Mas o que houve? Perguntou minha mãe. Foi quando todos souberam do ocorrido. Pela segunda vez e no dia seguinte o mesmo cara havia me roubado. Meu tio Joãozinho pôs seu chapéu, me levou consigo e fizemos uma “ronda” no bairro e nada do meliante. Meses depois, voltando para casa, ao fazer a curva de frente ao antigo Matadouro, vejo a pessoa sentada em um degrau e nada digo a meu pai temendo qualquer coisa. Era ele.


Essa semana, precisei ir à Recebedoria de Rendas. Metros adiante, descendo a calçada da Av. Floriano Peixoto, vejo um cara descalço, maltrapilho e com uma garrafa plástica na boca com o que parecia estar cheirando cola. Com marcas do tempo estampadas no rosto, enxerguei aquele que me roubou dois relógios há mais de vinte anos. Acelerei o passo, passei pela porta de vidro, o vi passar. Com a mão segurando o relógio balbuciei: Nem venha, o terceiro não!


Leia, curta, comente e compartilhe com quem você mais gosta!


Publicado na coluna 'Crônica em destaque' do Jornal A União em 27 de maio de 2023.

99 visualizações3 comentários

Posts recentes

Ver tudo

Duas irmãs

3 Comments


The Mcx
The Mcx
Jun 22, 2023

Triste. Enraivecedor. Reflexivo. Revoltante. Constatante. Retroalimentativo. Processo. Tempo.

Like

Marco Di Aurélio
Marco Di Aurélio
Jun 03, 2023

Fui roubado tantas vezes que hoje já não tenho o menor sentimento de dó de quem vive a afanar o que é dos outros. Todo mundo sabe o que deveria ser feito com essas figuras, não se tem é a coragem de assumir. O Estado é um estado de ilusão.

Like

Marcelo Reul
Marcelo Reul
Jun 03, 2023

Kkkkkkkk o terceiro nããaaao!


Pois bem! Professor, se fizermos uma análise de todo o episódio, veremos que você na verdade saiu ganhando; no momento do assalto, o choque da perda, nos dá revolta misturado com angústia e raiva; mas veja agora quem está em pior situação? Você que perdeu os dois relógios, ou o meliante que ganhou os dois relógios? Pois é, o crime não compensa, isso a longo prazo.

Like
PR Eletro.JPG
Fabio Santana Corretor.JPG
King Flex.JPG
Anne Closet.JPG
pizza.JPG
Início: Galeria de foto
Início: Blog Feed
DSC_4252.JPG

ENTRE EM CONTATO

  • twitter
  • instagram
  • facebook

Obrigado pelo envio!

Início: Contact
DSCF2988.JPG

DANDO INÍCIO

O começo

Durante anos temos viajado por diversos lugares para o desempenho de pesquisas e também para o deleite do turismo de aventura. Como um observador do cotidiano, das potencialidades dos lugares e das pessoas, tenho escrito muitas dessas experiências de centros urbanos como também de suas serras, montanhas e rios. Isso ocasionou a inspiração de algumas pessoas na ajuda em dicas de viagem.
Em 2005, iniciamos uma série de crônicas e artigos no Jornal Diário da Borborema, em Campina Grande-PB e após anos, assino coluna nos jornais A União e no Contraponto. Com o compartilhamento das crônicas, amigos me encorajaram e finalmente decidi entrar nas redes.
Aqui estão minhas opiniões, paixões, meus pensamentos e questionamentos sobre os lugares e cotidiano. Fundei o Turismo & História com a missão de ser uma janela onde seja possível tocar as pessoas e mostrar um mundo que quase não se vê, num jornalismo literário que fuja do habitual. Aceita o desafio? Vamos lá!

Vamos conectar
Início: Sobre
bottom of page