top of page

TURISMO & HISTÓRIA

Notas para um jornalismo literário e histórico

Início: Bem-vindo
Início: Blog2
  • Foto do escritorThomas Bruno Oliveira

Oliveiras em Pitimbú


Parte central de Pitimbú-PB

TEM UNS VINTE e três anos que estive nas terras de Pitimbu-PB, no ponto extremo do litoral sul da Parahyba. A época, era um garoto sem tantas pretensões históricas e pouco aproveitei da cidade. Estava na residência de minha prima Cláudia, filha de Nevinha Oliveira, uma tia, baluarte familiar que já mencionei algumas vezes nessa coluna. A casa tinha piscina, quadra e todos os apetrechos suficientes para um garoto de mais ou menos quinze anos acompanhado de primos e primas com idade parecida onde os namoricos eram a tônica do momento. Anos depois, ao estar no município do Conde, tive a informação da importância histórica da cidade de Pitimbu no que se refere a colonização de nossas terras, inclusive que a região era constantemente visitada pelos franceses para o escambo, principalmente do pau-brasil, o que me chamou muito a atenção. Segundo o escritor e acadêmico Coriolano de Medeiros, a região era conhecida como “Porto dos Franceses”


Barreiras e falésias de Pitimbú

Duas semanas atrás, fui convidado para um aniversário surpresa de minha tia-avó Lourdinha (Maria de Lourdes Oliveira) que foi justamente na casa de praia da prima Cláudia em Pitimbu. A reunião foi de primeira qualidade, uniu parentes de Natal-RN, Recife-PE, Campina Grande e João Pessoa-PB. A surpresa foi muito grande, minha tia Lourdinha com sessenta e alguns anos, achava que não era mais possível essa integração; a reunião de tanta gente da família para um momento como esse. Ela e sua irmã (Tia Nevinha, in memoriam), por muitos anos foram timoneiras no quesito reuniões familiares. Quer seja em Recife (onde moravam), em Campina Grande, e mais precisamente no Sítio Tambor, entre o distrito de Campina São José da Mata e o município de Puxinanã. A velha Mumbuca ancestral que todos nós reverenciamos sempre! Reduto de nossos ancestrais. Para tanto um salve ou viva a Vô Zé Severino de Oliveira, viva seus irmãos Rosa, Augusto, Miguelzinho, Regina, Tia Maria e todos os outros, viva a saudosa Charanga dos Batistas, viva Tia Judite! Salve, salve quem tudo nos ensinou. Meu respeito aos meus queridos e amados, que saudade.


Oliveiras em Pitimbú comemorando o aniversário de Tia Lourdinha

Pois bem, a prima Cláudia teve a ideia de reunir parte da família para a comemoração natalícia de nossa tia e o sábado foi irradiante de sorrisos e muita emoção. Pedrinho, irmão mais novo de Lourdinha, levou o som e o violão onde embalou a jovem guarda e toda a memória da família. Levou Vavá, outro músico da antiga banda “The Seven Boys” que fez sucesso em Recife entre os anos 1960 e 1970 (Para não olvidar, Pedrinho foi convidado para tocar na banda Trepidants e ninguém toca ‘Muito Estranho’ como Vavá). Já o primo Gilson, filho do primogênito Zezé (irmão de Lourdinha), que hoje põe som e iluminação em grandes shows em Natal, inclusive nas apresentações de Roberto Carlos, etc. também levou seu karaokê para o divertimento dos familiares e foi um verdadeiro sucesso. Descobrimos ali cantores e cantoras com bastante potencial.


Letreiro Pitimbú - Aleontra

A sinergia foi sensacional. A lembrança de quem se foi marcou bastante. Nezinho (relojoeiro histórico em Campina), Joãozinho, Nevinha, marcaram sensivelmente o momento. Isso por causa da união em que nossa família é privilegiada. Espetáculo foi ver a mais jovenzinha, minha sobrinha Maria Júlia, a Majú, no alto de seus oito meses vividos, dançando com cada música, graciosa para o sorriso de todos. Coisa linda!


Andar por Pitimbú foi uma experiência interessante. Suas ruas centrais são sinuosas como serpentes, onde bailamos para todos os lugares. As residências modestas, à semelhança de uma vila de pescadores, têm gradeados horizontais. Com as barreiras por trás, poucas delas ocupadas, há uma semelhança com algumas cidades da zona canavieira do vizinho estado de Pernambuco. Engraçado que ao chegarmos nos portais de Pitimbú, a maior construção no ambiente foi de uma grande usina. Os morros ocupados (e não malvestidos como canta Nelson Gonçalves), falésias, tem seus inúmeros degraus, caminhos por onde a população sobe e desce vivendo sua rotina. Essas escadas rasgam o tecido urbano, sendo vistas a partir da praça central e ao longo da caminhada.



Ficamos muito bem hospedados na pousada Vithorya. Amorim e sua esposa são os timoneiros deste empreendimento bem próximo à praça central. Ele começou a narrar histórias do lugar e eu me interessei bastante. Conversamos muito sobre a ancestralidade das terras. A Vila de Taquara foi bem valorizada em sua conversa e várias praias nos limites da cidade. Segundo Amorim, na época da escravidão houve a queima de uma pessoa no adro da igreja Matriz. Me prometeu saber mais para me dizer.


Papai, eu e você Lourdinha, salve, salve!

Pitimbú das praias Bela, Acaú, Azul, dos Mariscos, da Guarita, do Pontal, de Coqueiros, do Graú e do Abiaí. Pitimbú de Taquara, dos Tabajaras, dos Franceses, dos pescadores, de um povo acolhedor e de belezas naturais ímpares. Não haveria melhor lugar para uma comemoração de aniversário do que este. Viva os Oliveira, viva a Parahyba, viva Pitimbú.


Leia, curta, comente e compartilhe com quem você mais gosta!


Publicado na coluna 'Crônica em destaque' do Jornal A União em 16 de março de 2024.

209 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Oh Bahia

1 Comment


maxxfd
Mar 23

Viva aos Oliveira! Viva à sinergia!

Like
PR Eletro.JPG
Fabio Santana Corretor.JPG
King Flex.JPG
Anne Closet.JPG
pizza.JPG
Início: Galeria de foto
Início: Blog Feed
DSC_4252.JPG

ENTRE EM CONTATO

  • twitter
  • instagram
  • facebook

Obrigado pelo envio!

Início: Contact
DSCF2988.JPG

DANDO INÍCIO

O começo

Durante anos temos viajado por diversos lugares para o desempenho de pesquisas e também para o deleite do turismo de aventura. Como um observador do cotidiano, das potencialidades dos lugares e das pessoas, tenho escrito muitas dessas experiências de centros urbanos como também de suas serras, montanhas e rios. Isso ocasionou a inspiração de algumas pessoas na ajuda em dicas de viagem.
Em 2005, iniciamos uma série de crônicas e artigos no Jornal Diário da Borborema, em Campina Grande-PB e após anos, assino coluna nos jornais A União e no Contraponto. Com o compartilhamento das crônicas, amigos me encorajaram e finalmente decidi entrar nas redes.
Aqui estão minhas opiniões, paixões, meus pensamentos e questionamentos sobre os lugares e cotidiano. Fundei o Turismo & História com a missão de ser uma janela onde seja possível tocar as pessoas e mostrar um mundo que quase não se vê, num jornalismo literário que fuja do habitual. Aceita o desafio? Vamos lá!

Vamos conectar
Início: Sobre
bottom of page