TURISMO & HISTÓRIA

Notas para um jornalismo literário e histórico

 
 
  • Thomas Bruno Oliveira

Torre de pedra

Atualizado: 26 de mai. de 2021


Pedra da Torre e sua face com inscrições rupestres

A Parahyba é mesmo cheia de surpresas e encantos. Na caatinga agrestada do alto da Borborema, predominante no cume de uma de suas serras, há uma torre pontiaguda e de pedra. Está localizada entre os municípios de Massaranduba e Riachão do Bacamarte e pelo seu total e intrigante destaque na paisagem, foi escolhida como passagem do marco divisor desses dois municípios. Trata-se de um matacão (bloco de pedra sobre um lajedo) de natureza granítica com o topo bem delgado ostentando um cruzeirinho muito antigo. Partindo de João Pessoa com destino à Campina Grande, através da BR 230, observa-se no quilômetro 127, do lado direito, uma grande pedra afilada, com aspecto de torre. Sua exuberância é enorme e todos que por ali passam são tentados a observar e admirar o monumento, até os menos sensíveis. Sua característica deu nome à localidade: Fazenda Torre, de propriedade do político Perón Japiassú, onde se encontra o Parque de vaquejada Liberal.


Este matacão repousa em um grande lajedo aflorado bem no alto do serrote, é um gigante de aproximadamente onze metros de altura e oito de largura. Ele pode ser admirado em um raio de muitos quilômetros, e quem subir até lá poderá avistar de um verdadeiro mirante toda a paisagística serrana, rodeado de uma interessante vegetação de cactos e bromélias.


Não bastasse o monumento lítico ser por si só esplêndido, em sua face noroeste há um verdadeiro painel de inscrições rupestres antiquíssimas, pré-históricas, ocupando uma porção considerável da superfície alisada do bloco rochoso. Aqueles testemunhos enigmáticos são provas incontestes de que essa região do planalto é povoada há milhares de anos e os povos que deixaram as marcas de sua cultura disseminaram esses símbolos por vasto território, já que é sabido pelas pesquisas arqueológicas empreendidas no Estado a existência de centenas de pinturas ocultas nas matas, ornando rochas.


Painel com as inscrições

Na Pedra da Torre temos inscrições que foram gravadas a fortes golpes com ferramenta feita de outra rocha com maior grau de dureza; não são tão profundas como aquelas que existem na Pedra do Ingá, são mais rasas, picotadas, alisadas, sobre a parede pétrea previamente untada com uma tinta vermelha, provavelmente com a intenção de obter um maior destaque para os testemunhos gravados que ficam esbranquiçados, como uma base, uma tela. Ao longo do matacão também se encontra algumas figuras e manchas pintadas em vermelho, feitas com uma tinta obtida com o corante rubro resultante da fragmentação do óxido de ferro, umas pedrinhas avermelhadas, comuns nestes terrenos, ricas em ferro. Como fixador do corante, usavam alguma seiva vegetal ou mesmo gordura animal.


O posicionamento geográfico do serrote em meio aos cordões de serra é estratégico, pois do alto vê-se toda a região num raio de pelo menos vinte quilômetros. Penso que no tempo dos indígenas, seria possivelmente um importante lugar para observação, seja para planejamento e execução de caçadas ou mesmo para a visualização de outras tribos que por ventura perlustrava a região, levando-os a se defender ou atacar, caso fosse necessário. Essa pode ser a razão deles terem marcado aquele lugar.


Ambiente da Pedra da Torre

As inscrições gravadas possuem formas geométricas bastante complexas, predominando as linhas sinuosas e os círculos, além de alguns pontos que a arqueologia denomina de capsular. As pinturas, além de dar vivacidade às gravuras, apresentam diversos símbolos geométricos e muitas manchas, não sendo de fácil identificação ou discernimento. Assim, a sua decifração não é possível pois o código cultural que traduz aquelas marcas se perdeu na bruma dos tempos e, como sabemos, o processo colonizador sucumbiu em quase a totalidade os grupos indígenas, aniquilando a chance de entendermos plenamente esse tesouro ancestral hoje coberto pela aura enigmática do mistério.


Monumento natural e histórico, a Pedra da Torre é mais um cantinho que todo mundo deveria conhecer, atrativo turístico do Agreste paraibano que deve ser explorado pelos amantes da arqueologia, da aventura e da natureza. Vale a pena conferir.


Leia, curta e compartilhe com quem você mais gosta!


Publicado na coluna 'Crônica em destaque' no Jornal A União de 22 de maio de 2021.

364 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
PR Eletro.JPG
Fabio Santana Corretor.JPG
King Flex.JPG
Anne Closet.JPG
pizza.JPG
 
 
DSC_4252.JPG

ENTRE EM CONTATO

  • twitter
  • instagram
  • facebook

Obrigado pelo envio!

 
DSCF2988.JPG

DANDO INÍCIO

O começo

Durante anos temos viajado por diversos lugares para o desempenho de pesquisas e também para o deleite do turismo de aventura. Como um observador do cotidiano, das potencialidades dos lugares e das pessoas, tenho escrito muitas dessas experiências de centros urbanos como também de suas serras, montanhas e rios. Isso ocasionou a inspiração de algumas pessoas na ajuda em dicas de viagem.
Em 2005, iniciamos uma série de crônicas e artigos no Jornal Diário da Borborema, em Campina Grande-PB e após anos, assino coluna nos jornais A União e no Contraponto. Com o compartilhamento das crônicas, amigos me encorajaram e finalmente decidi entrar nas redes.
Aqui estão minhas opiniões, paixões, meus pensamentos e questionamentos sobre os lugares e cotidiano. Fundei o Turismo & História com a missão de ser uma janela onde seja possível tocar as pessoas e mostrar um mundo que quase não se vê, num jornalismo literário que fuja do habitual. Aceita o desafio? Vamos lá!

Vamos conectar