TURISMO & HISTÓRIA

Notas para um jornalismo literário e histórico

 
 
  • Thomas Bruno Oliveira

Um observatório de mundo


Ao longe a Bela Vista, Pedregal, Centenário, a linha do trem e a paisagem da infância. Campina Grande-PB

Na mercearia de meu pai, onde passei os decisivos e marcantes anos de minha infância, sempre fui um observador das coisas e das pessoas, às vezes atento até demais (menino esperto! Diziam), n’outras vezes eivado da candura daqueles anos, inocência genuína de uma educação simples, de pés no chão, de poucos recursos financeiros, mas de uma riqueza cultural capaz de transcender a estreita geografia então vivida. Assim, sempre me deixei levar pelas histórias das pessoas e, sobretudo, da cidade, a minha cidade, Campina Grande-PB.


Ainda muito criança, muitas eram as imagens que se formavam em minha retina. O bairro, a vizinhança e no meu observatório particular, a mercearia, onde Papai tinha uma lista telefônica de capa amarela que na contracapa exibia um belo retrato do Açude Novo. Eu era capaz de deixar o tempo passar vendo aquela imagem do “lapizão” (como eu denominava o obelisco) e imaginava mais uma visita àquele parque. Os escorregos que ali existiam, não se comparavam a nenhum. Crianças lendo gibi no gramado, outras jogando bola, brincando de ciranda... Numa certa vez, após um exame de vista e a visão turva do dia inteiro após dilatar as pupilas, lembro-me de passar no ônibus no início da noite, indo para casa, e ter me encantado com as famosas fontes luminosas do Açude Novo. A vista se esforçou, viu o que talvez quis ver e aquele momento multicor nunca saiu de minha mente.


Papai (Seu Roberto) e a mercearia

E as conversas na mercearia, de futebol ao cotidiano, do mundo da televisão às festas, sempre ouvia as menções à minha cidade e aquilo fazia um bem danado. Era a aparição no Fantástico da TV Globo do Encontro para a Nova Consciência, evento ecumênico, único no país reunindo gente de todo mundo (que infelizmente tem sofrido com a existência de eventos religiosos que o desvirtuou). A Micarande, primeiro carnaval fora de época longe das fronteiras baianas e o pioneirismo da cidade. As gravações das famosíssimas ‘Câmeras escondidas’ do programa ‘Topa Tudo por Dinheiro’ do SBT na cidade; as menções à Feira de Campina Grande em músicas e matérias de TV; o meu Treze desbancando o Corinthians paulista campeão brasileiro em um estádio Amigão superlotado; os ‘Clássicos dos Maiorais’ sempre com maior destaque que qualquer jogo da capital, lembro-me de um Treze x Campinense com quarenta mil pessoas em pleno domingo de Micarande ou em pleno São João, o Maior São João do Mundo, que sempre era exibido em flashes ao vivo do Vale do Jatobá ou da Vila Forró com a banda Magníficos cantando para o Brasil no Domingão do Faustão.


Ronaldo e Nelson (irmãos), Papai e seu tio Pedrinho

Essas ideias eram mantras que Papai repetia, que os vizinhos confirmavam e completavam, conversas que enchiam os olhos da criançada e o cotidiano pobre suburbano que parece enxergar mais beleza na cidade do que os mais abastados, que muitas vezes não a vivencia, enclausurados em muros altos com portões pastorados por bravos cães ou agentes vestidos de preto. Apoteóticos emblemas que ajudam a constituir a cidadania, elevando a autoestima. Pão e circo? Minha tia Paulinha que (repetindo palavras de Gilberto Gil) dizia que a cosmopolita Campina queria ser Nova Iorque e apontava para o horizonte, onde eu achava que tudo era magia. Quem primeiro me disse as razões da Federação da Indústria do estado, a FIEP, ser em Campina e não ser em João Pessoa foi Papai, lembro da euforia com que tomei aquela informação, aí vem Fechine com a ideia de Campina ser a capital de um estado chamado Borborema, desmembrado da velha Parahyba. Ah quantos sonhos, quando ufanismo!


Nas idas ao centro, a comprar mercadoria para abastecer a mercearia, uma aventura me aguardara. A passada na feira de estivas, no antigo supermercado O Barateiro de Wamberto (que já foi feirante e hoje é dono de uma rede de supermercados) e uma certa vez fui ao Calçadão. Para mim estava em um senado romano que via nos livros da escola, muitos homens conversavam, a tinta branca dos anos (como diz o poeta Dedé Monteiro) na cabeça de muitos deles. Tomei um chocolate quente, hoje sei que foi em Henrique Lanches, um dos únicos da infância, ouvindo falar em Treze e Campinense, acho que era uma manhã de sábado, o embate seria no dia seguinte...


Da calçada, o mundo ao redor...

Tudo aquilo me seduzia, eram as edificações que via da calçada da mercearia sendo construídas no alto da Bela Vista, o trem que passava cortando o horizonte do Pedregal às onze da manhã apitando e sempre a molecada parava para contar quantos vagões iam daquela vez. Eram inúmeras histórias contadas ali no balcão da mercearia ‘A Bodeguita’. Eu com os braços escorados no canto do balcão, com o pé direito apoiado no joelho esquerdo, ávido por aquelas histórias mágicas, o que me fez na oitava série querer escrever sobre a história de minha cidade. Daí até tomar os bancos da universidade, o tempo se encarregou de impregnar de criticidade a lente que me possibilitava enxergar a urbe com todo aquele ufanismo, entendendo que todo lugar tem sua beleza e suas contradições. Campina é, também, assim. E como diria minha amiga economista Zélia Almeida: todos os lugares podem ser eternos.

Leia, curta, comente e compartilhe com quem você mais gosta!


Publicado na coluna 'Crônica em destaque' no Jornal A União de 04 de dezembro de 2021.

253 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
PR Eletro.JPG
Fabio Santana Corretor.JPG
King Flex.JPG
Anne Closet.JPG
pizza.JPG
 
 
DSC_4252.JPG

ENTRE EM CONTATO

  • twitter
  • instagram
  • facebook

Obrigado pelo envio!

 
DSCF2988.JPG

DANDO INÍCIO

O começo

Durante anos temos viajado por diversos lugares para o desempenho de pesquisas e também para o deleite do turismo de aventura. Como um observador do cotidiano, das potencialidades dos lugares e das pessoas, tenho escrito muitas dessas experiências de centros urbanos como também de suas serras, montanhas e rios. Isso ocasionou a inspiração de algumas pessoas na ajuda em dicas de viagem.
Em 2005, iniciamos uma série de crônicas e artigos no Jornal Diário da Borborema, em Campina Grande-PB e após anos, assino coluna nos jornais A União e no Contraponto. Com o compartilhamento das crônicas, amigos me encorajaram e finalmente decidi entrar nas redes.
Aqui estão minhas opiniões, paixões, meus pensamentos e questionamentos sobre os lugares e cotidiano. Fundei o Turismo & História com a missão de ser uma janela onde seja possível tocar as pessoas e mostrar um mundo que quase não se vê, num jornalismo literário que fuja do habitual. Aceita o desafio? Vamos lá!

Vamos conectar