top of page

TURISMO & HISTÓRIA

Notas para um jornalismo literário e histórico

Início: Bem-vindo
Início: Blog2
  • Foto do escritorThomas Bruno Oliveira

Juazeirinho, 110 anos


Sessão solene de aniversário de 110 anos de Juazeirinho-PB

O ÚLTIMO 04 de novembro foi reinado do sol. O astro rei exibiu sua majestade desde logo cedo. Não era cinco da manhã e o dia já clareava. Aquela alvorada era festiva. No calendário, a folhinha com o quatro de novembro tomava posse e com ela o aniversário de uma cidade que mora no meu coração, me refiro ao município parahybano de Juazeirinho, localizado na mesorregião do Seridó, mas que se identifica e se denomina como caririzeira. De fato, os Cariris históricos integram a região de Juazeirinho, Soledade, etc. Assim nos ensinou o amigo Prof. Daniel Duarte Pereira.


A data marca os 104 anos da primeira feira ali realizada. Sendo passagem de tropeiros com suas mercadorias, a sombra de um Juazeiro foi palco desse momento histórico, isso lá na quadra cronológica de 1913. A região já possuía uma estrada carroçável que cruzava parte do estado, hoje é a BR 230, trecho inicial da famosa Transamazônica. Nesse trajeto, caminho de tropeiros e almocreves, sempre recolheu pousios para descanso e também o comércio e a Vila do Joàzeiro cresceu a partir do dessas características. A feira de Soledade ficava a aproximadamente quatro léguas, Campina Grande ficava ainda mais longe, se fazendo a necessidade de outro lugar para o comércio, inclusive do gado que era criado aos montes por toda a região.


Discursando ao lado do amigo Agenor Batista e o Vereador Josivânio Santos

Para marcar a efeméride municipal, a Câmara Municipal de Juazeirinho preparou uma sessão solene em comemoração. O Presidente desse poder legislativo, o Sr. Wedisgson Normelio Cordeiro Trajano conduziu os trabalhos com primor e o evento foi muito bem prestigiado. Para tanto, o auditório Odílo Batista de Lima foi o lugar escolhido para reunir todos os participantes. Este espaço pertence a Escola Municipal de Ensino Fundamental Severino Marinheiro.


Parto de Campina logo cedo observando a movimentação na estrada. A duplicação da BR 230 acontecia ali aos nossos olhos. Uma série de máquinas faziam a limpeza do lote lindeiro dos dois lados, aqueles dez metros deixados para o governo margeando as estradas. A movimentação era enorme e acredito que em poucos meses teremos a obra pronta. Patrocinada pelo governo federal, a duplicação cruza toda a alça sudoeste e vai desembocar na Praça do Meio do Mundo. Bom mesmo seria que a duplicação cortasse o estado e chegasse até Cajazeiras, mas com uma obra tão cara, comemoremos este início. Dali fui observando a caatinga neste fim de ano. A vegetação não está tão esturricada como me falaram. Há verde e até a metade do caminho à Soledade, os facheiros tomam conta da paisagem.


Em Soledade, me impressionou a pintura recente da Matriz de Nossa Senhora Sant’Anna. Um tom escuro de terracota sobre bege realçou os ricos detalhes daquele templo que remonta o longínquo ano de 1895. Mais à frente, paramos para tomar café e este não poderia deixar de ser com culinária regional. Tapioca de todos os tipos, cuscuz com galinha, charque, etc e um café puro e forte bem coado nos foi servido, dessas riquezas que a gente já conta na viagem ao Mundo-Sertão.


Matriz de N. Sra. Sant'Anna em Soledade-PB

Um pouco antes das nove chegamos a Juazeirinho e fomos direto para o auditório da Escola onde a sessão solene seria realizado. Na calçada, encontrei o grande amigo Agenor Batista de Lima, empresário e uma personalidade conhecida e adorada por toda população da cidade. Com ele, adentramos ao recinto e fui de pronto apresentado ao Presidente da Câmara Normélio Trajano e também a Josivânio de Souza dos Santos, exatamente o autor de uma propositura que me concedia naquele momento festivo uma moção de aplauso “pelos relevantes serviços prestados à sociedade juazeirinhense”. É que em minhas crônicas, falando dos Cariris Velhos, sempre menciono Juazeirinho e em um texto publicado na Revista de Turismo pus a cidade na capa da Revista e o amigo Agenor, estando em Salvador-BA, encontrou no saguão do hotel a publicação abordando a sua cidade natal. “Levar o nome de Juazeirinho para o Brasil e o mundo é digno de reconhecimento e agradecimento, é o que fazemos agora com o historiador e jornalista Thomas Bruno Oliveira, a quem agradecemos demais”, palavras do vereador Josivânio.


Ao lado do Vereador Josivânio Santos e do amigo Agenor Batista

Conheci a jovem e competente Prefeita Anna Virgínia, filha do saudoso Genival Matias e presenciei um momento especial para a cidade que recebeu máquinas agrícolas e investimentos de deputados que estavam presentes. A querida ‘Juá’, como diz meu amigo Agenor, está no meu coração e eu a parabenizo pelos seus 104 anos.


Leia, curta, comente e compartilhe com quem você mais gosta!


Publicado na coluna 'Crônica em destaque' do Jornal A União em 11 de novembro de 2023.

155 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo
PR Eletro.JPG
Fabio Santana Corretor.JPG
King Flex.JPG
Anne Closet.JPG
pizza.JPG
Início: Galeria de foto
Início: Blog Feed
DSC_4252.JPG

ENTRE EM CONTATO

  • twitter
  • instagram
  • facebook

Obrigado pelo envio!

Início: Contact
DSCF2988.JPG

DANDO INÍCIO

O começo

Durante anos temos viajado por diversos lugares para o desempenho de pesquisas e também para o deleite do turismo de aventura. Como um observador do cotidiano, das potencialidades dos lugares e das pessoas, tenho escrito muitas dessas experiências de centros urbanos como também de suas serras, montanhas e rios. Isso ocasionou a inspiração de algumas pessoas na ajuda em dicas de viagem.
Em 2005, iniciamos uma série de crônicas e artigos no Jornal Diário da Borborema, em Campina Grande-PB e após anos, assino coluna nos jornais A União e no Contraponto. Com o compartilhamento das crônicas, amigos me encorajaram e finalmente decidi entrar nas redes.
Aqui estão minhas opiniões, paixões, meus pensamentos e questionamentos sobre os lugares e cotidiano. Fundei o Turismo & História com a missão de ser uma janela onde seja possível tocar as pessoas e mostrar um mundo que quase não se vê, num jornalismo literário que fuja do habitual. Aceita o desafio? Vamos lá!

Vamos conectar
Início: Sobre
bottom of page