TURISMO & HISTÓRIA

Notas para um jornalismo literário e histórico

 
 
  • Thomas Bruno Oliveira

Um ‘Culto às águas’


A Pedra do Ingá e as águas do Bacamarte

“É evidente que a maioria dos petróglifos ou itaquatiaras do Nordeste do Brasil, estão relacionadas com o culto das águas [...] É natural que nos sertões nordestinos, terríveis de estiagens, as fontes d’água fossem consideradas lugares sagrados.” É assim que a arqueóloga Gabriela Martin escreve sobre as itacoatiaras da região no livro ‘Pré-História do Nordeste do Brasil’ (2005).

As gravuras rupestres, chamadas também de itacoatiaras – do tupi: Ita = pedra; Kwatia = riscada, existem por todo o país sob técnicas e tipologias variadas. No Nordeste elas são agrupadas em uma grade ‘tradição Itacoatiara’ (parâmetro metodológico para estudá-las) e fazem parte dos testemunhos rupestres da pré-história destas terras. Na Paraíba, os sítios arqueológicos de gravuras sulcadas em rocha mais conhecidos são a monumental Pedra do Ingá e a Pedra de Retumba (este com escavação iniciada na última semana pela equipe da UEPB chefiada pelo arqueólogo Juvandi de Souza Santos)


Segundo a própria Martin, as itacoatiaras são “de todas as manifestações rupestres pré-históricas do Brasil, aquelas que mais têm prestado a interpretações fantásticas”, que vão desde explicações desvairadas como a atribuição de autoria a outros povos (Fenícios, Egípcios, etc.) ou até mesmo a afirmativa de que estas profusas inscrições não fazem parte do universo pré-histórico, fato absolutamente comprovado por escavações no vizinho estado de Pernambuco, no abrigo do Letreiro do Sobrado, cuja ocupação é datada de 1.200 e 6.000 anos ou mesmo na Serra da Capivara – PI, no sítio Toca dos Oitenta, com ocupações datadas entre 5.650 e 7.840. Além das pesquisas já desempenhadas em território paraibano pelos integrantes da Sociedade Paraibana de Arqueologia e do Laboratório de Arqueologia e Paleontologia da UEPB.


Inscrições do painel principal da Pedra do Ingá

As itacoatiaras estão ao longo de cursos d’água, quer seja nas margens ou mesmo no leito de rios. Em sua grande maioria, em época de cheias, entram sempre em contato com as águas. Entretanto, encontramos alguns sítios com gravuras rupestres na Paraíba que estão totalmente desassociados a água, fato bem curioso que pretendemos abordar em breve publicando um estudo a respeito.


Quem tem a oportunidade de conhecer a imensidão e a imponência da seca em períodos de estiagens no interior do Nordeste, pode compreender a imensa importância, a dádiva, a magia, o milagre que é um curso d’água, que mata a sede dos homens e das criações, banha os pequenos roçados e traz cores ao Mundo-Sertão. Este caráter mágico permeou outras diversas civilizações, que também considerava os rios e torrentes como lugares sagrados. Exatamente por esta compreensão, que a Gabriela acreditou que as itacoatiaras são na verdade um ‘culto às águas’, que representam um ritual cabalístico, mágico-religioso, que, possivelmente, visava um retorno destas águas, extremamente necessárias para a vida destas populações em todos os tempos.


Sítio arqueológico Lagoa do Escuro - Taperoá-PB

Esta teoria é perfeitamente plausível, Gabriela Martin é uma renomada pesquisadora de um importante centro de pesquisa arqueológica que é a UFPE/FUNDHAM e seu renome advém exatamente de seus estudos científicos, intuitivos e corajosos acerca da pré-história do Nordeste. No entanto, podemos afirmar que, indubitavelmente, as itacoatiaras fazem menção a um culto as águas? Certo mesmo é que este copioso testemunho remonta a PRÉ-HISTÓRIA, e seus estudos conclusivos na Paraíba tem se desenrolado, porém, com muito ainda para se desvendar.



#Itacoatiara #PedradoInga #PedradeRetumba #CultoasAguas #PreHistoria #ThomasBruno #CronicaSemanal #Escritor #Autor #Leitor #Leitura #Jornal #AUniao #Paraiba #Arqueologia

95 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
PR Eletro.JPG
Fabio Santana Corretor.JPG
King Flex.JPG
Anne Closet.JPG
pizza.JPG
 
 
DSC_4252.JPG

ENTRE EM CONTATO

  • twitter
  • instagram
  • facebook

Obrigado pelo envio!

 
DSCF2988.JPG

DANDO INÍCIO

O começo

Durante anos temos viajado por diversos lugares para o desempenho de pesquisas e também para o deleite do turismo de aventura. Como um observador do cotidiano, das potencialidades dos lugares e das pessoas, tenho escrito muitas dessas experiências de centros urbanos como também de suas serras, montanhas e rios. Isso ocasionou a inspiração de algumas pessoas na ajuda em dicas de viagem.
Em 2005, iniciamos uma série de crônicas e artigos no Jornal Diário da Borborema, em Campina Grande-PB e após anos, assino coluna nos jornais A União e no Contraponto. Com o compartilhamento das crônicas, amigos me encorajaram e finalmente decidi entrar nas redes.
Aqui estão minhas opiniões, paixões, meus pensamentos e questionamentos sobre os lugares e cotidiano. Fundei o Turismo & História com a missão de ser uma janela onde seja possível tocar as pessoas e mostrar um mundo que quase não se vê, num jornalismo literário que fuja do habitual. Aceita o desafio? Vamos lá!

Vamos conectar