top of page

TURISMO & HISTÓRIA

Notas para um jornalismo literário e histórico

Início: Bem-vindo
Início: Blog2
  • Foto do escritorThomas Bruno Oliveira

Di Aurélio, vi de novo!


TEM QUASE SEIS anos que o amigo poeta Marco di Aurélio me deu uma preciosa informação sobre a existência de uma cruz entre o município de Boa Vista e o distrito de Catolé de Boa Vista, este pertencente a Campina Grande. Mas não é uma simples cruz, é um cruzeiro muito bem cuidado, conhecido popularmente como a ‘Cruz do Gavião’ erigida após a morte do cangaceiro Gavião que integrou o bando do guerreiro togado Augusto Santa Cruz, que em 1912 protagonizou uma das maiores guerras do Mundo-Sertão contra o governo da Província da Parahyba.


Marco di Aurélio e eu, confabulando na Livraria do Luiz

Diz a lenda, ou conta a história, que o “cabra Gavião” após ser preso, foi escoltado por policiais junto a outros presos e, por fim, de pés no chão, em uma vereda aberta, um caminho entre São João do Cariri e Campina Grande, foi libertado para a outra vida pelos praças que ocultaram seu corpo em meio à caatinga brava, arrodeado de macambiras e xique-xiques. Logo depois de encontrado, Gavião foi enterrado e a comoção fez com que ali edificassem uma cruz em sua homenagem. Nos anos que se seguiram, a benevolência dos seguidores do catolicismo nos Cariris Velhos tratou de assimilar o lugar que passou a receber ex-votos em agradecimento a graças alcançadas além de visitas constantes para orações.


A cruz repousava em meio à caatinga, há alguns metros de uma estrada poeirenta em que poucos veículos se aventuravam em passar. Hoje, depois de asfaltada, tem sido talvez o principal acesso ao Cariri, encurtando caminho não precisando seguir até a Praça do Meio-do-Mundo para tomar a BR de ligação 412. Assim, o acesso ao cruzeiro foi facilitado e eu sempre paro quando cruzo aqueles caminhos.


Certa vez, indo de Serra Branca para Campina: “deslizando devagar naquela noite enluarada, avisto a cruz de longe e resolvo diminuir ainda mais a velocidade para observar, estava a aproximadamente 30km/h e de repente, após o foco da luz mais intensa dos faróis ter passado pela cruz, vejo um vulto, uma mulher magra de cabelos compridos, com um vestido sem cor, mais pareciam farrapos. Ela ia se dirigindo à cruz e eu a vi de costas, pisei no freio atônito e não sabia para onde olhava, se para o retrovisor direito para confirmar ou virar o rosto para enxergar com mais nitidez. Da espiada no retrovisor e o consequente acendimento das luzes encarnadas atrás, vi que alumiou uma pessoa. No momento em que me viro, a sua carreira com os pés “batendo na bunda” ganhou a escuridão rapidamente. Controverso é que aquele trecho para além do acostamento é um leito de pedregulho imenso, impossível se mover ali com tanta velocidade”. Pessoalmente contei tudo ao poeta di Aurélio.


Pois bem, esses dias, vindo da cidade caririzeira de Gurjão, já à tardinha, parei uns dez metros adiante do cruzeiro. Desci do carro, espiei o vento soprar nos galhos ainda verdejantes da caatinga, ouvindo o uivar do tempo e o remexer de folhas, pássaros, calangos e, ali, a Cruz do Gavião. Sempre aproveito para fazer alguns retratos, o cair da tarde dava um ar ameno à paisagem, o azul celeste se desfazia com o clarão do sol na linha do horizonte e, de repente, o verde e cinza da mata acatingada toma conta, em contraste com o azul da cruz. No pedestal um sem número de ex-votos, santinhos de papel, fitilhos e benditos. É quando escuto uma voz feminina dizendo: “huúmmm?” como a me indagar algo, viro o pescoço na direção que eu achava que veio o som, ouço novamente. Procuro, nada vejo, a não ser um remexido no mato após a cerca onde a cruz antiga está apoiada. Naquele momento me veio um arrepio que cheguei a sacudir os braços, ombros e soltar os lábios, balbuciando um som quase equino. N’um é que me lembrei daquela moça vestida de farrapos a correr pelo pedregulho...


Emudecido, olhei para os quatro cantos, baixei a cabeça em reverência, fiz o sinal da cruz, caminhei lentamente (o que não quer dizer calmamente!) para o carro. Sentei, suspirei, fitei a cruz e entendi que ali tem uma energia que é impossível explicar, só sei que tem. Di Aurélio, vi de novo, ou melhor, dessa vez ouvi. Ave! Essas coisas de outro mundo, sei não...


Veja também a crônica: ''Mistério da Cruz do Gavião' no link e Véi de Agácio', no link


Leia, curta, comente e compartilhe com quem você mais gosta!


Publicado na coluna 'Crônica em destaque' do Jornal A União em 04 de fevereiro de 2023.

221 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo

Duas irmãs

2 Comments


Marco Di Aurélio
Marco Di Aurélio
Feb 10, 2023

Vosmincê num invente de ver mais coisa não!

E nem venha me contar tais detalhes, apois agora sou eu que vou parar por lá tomando mais tento.

Mas, vejo que pode num dá em nada. Só vê quem acredita, e dessa fé eu num tenho.

Like

Marcelo Reul
Marcelo Reul
Feb 10, 2023

Para quem não acredita em vida após a morte e em espíritos que nos rodeiam, esta é uma boa prova de que não estamos sós; e como disse Allan Kardec: - Eles nos influenciam muito mais do que imaginamos!

Like
PR Eletro.JPG
Fabio Santana Corretor.JPG
King Flex.JPG
Anne Closet.JPG
pizza.JPG
Início: Galeria de foto
Início: Blog Feed
DSC_4252.JPG

ENTRE EM CONTATO

  • twitter
  • instagram
  • facebook

Obrigado pelo envio!

Início: Contact
DSCF2988.JPG

DANDO INÍCIO

O começo

Durante anos temos viajado por diversos lugares para o desempenho de pesquisas e também para o deleite do turismo de aventura. Como um observador do cotidiano, das potencialidades dos lugares e das pessoas, tenho escrito muitas dessas experiências de centros urbanos como também de suas serras, montanhas e rios. Isso ocasionou a inspiração de algumas pessoas na ajuda em dicas de viagem.
Em 2005, iniciamos uma série de crônicas e artigos no Jornal Diário da Borborema, em Campina Grande-PB e após anos, assino coluna nos jornais A União e no Contraponto. Com o compartilhamento das crônicas, amigos me encorajaram e finalmente decidi entrar nas redes.
Aqui estão minhas opiniões, paixões, meus pensamentos e questionamentos sobre os lugares e cotidiano. Fundei o Turismo & História com a missão de ser uma janela onde seja possível tocar as pessoas e mostrar um mundo que quase não se vê, num jornalismo literário que fuja do habitual. Aceita o desafio? Vamos lá!

Vamos conectar
Início: Sobre
bottom of page