top of page

TURISMO & HISTÓRIA

Notas para um jornalismo literário e histórico

Início: Bem-vindo
Início: Blog2
  • Foto do escritorThomas Bruno Oliveira

Zeca Matuto


Um avô - semeandocatequese

DE UM MERO COSTUME, se tornou uma tradição. Mané Juvino juntava seus netos nas tardes de sábado para uma verdadeira contação de histórias. Antes disso, além de almoçar, ele se estirava na rede e dava um bom cochilo. Era tempo em que seus cinco filhos iam deixando os netinhos em sua casa e saiam para resolver outros assuntos até o fim da tarde, quando a farra do avô com a gurizada findava.


Um a um ia chegando e se sentavam em uma mureta baixa que dividia o terraço arejado do florido terreiro. A casa ficava na ponta da rua e possuía farto espaço, Mané chamava tudo aquilo de sítio, recordando sempre com emoção a sua infância no interior, um pé de serra lá no sítio Logradouro, onde seu pai tomava conta da fazenda Santana do coronel Chico Salustiano. Mas parecia mesmo sítio. As paredes pintadas com um tímido verde, o chão em cimento queimado no tom vermelho, bem friozinho, bom de ficar descalço, e caqueras dependuradas nos caibros com todo tipo de planta da região. Ao redor da casa, um cajueiro e uma aroeira ofertavam a sombra e flores de todos os tipos alegravam o ambiente.


Lugarejo - Carolina Pinheiro Conexão Planeta

Por volta de umas duas e meia ou três horas, Mané Juvino ia despertando. O sinal daquele momento era uma tossida tímida que engrossava de repente, pigarreada, que o acompanha desde que fumava o cachimbo velho. O murmurinho dos onze netos era certo, a alegria também. O maiorzinho vinha com o chinelo do avô. Ainda despertando, Mané senta na rede, estira os braços pedindo ajuda e todos correm, se dividindo nas duas mãos, para levantar o avô. Cá pra nós, nem precisava, mas naquilo continha o ensinamento de servir e ajudar os mais velhos. Maria de Chico, sua esposa, traz uma xícara fumegante de café; seus netos já tinham pedido a bênção lá na cozinha. E Mané começa: – Essa história que vou contar é alegre e triste, para a curiosidade da meninada. É que lá perto da fazenda em que eu morava, no sítio Logradouro, tinha um camarada muito engraçado e aqui veio a lembrança de quando ele morreu, bichinho. Era um cabra folclórico, muito especial, não havia ninguém que não o conhecesse na região. Seu nome era Zeca Matuto. Nunca teve esposa e sempre morou sozinho, sequer teve filho.


Um dia me mostrou com orgulho sua carteirinha de filiado ao sindicato dos trabalhadores rurais de Cacimbas, o que no futuro ia garantir sua aposentadoria. Trabalhava pesado. Cansei de vê-lo mourejar o dia todo a enxada, preparando roçados, plantando como um condenado. Mas sua vida não se confinava no duro da labuta, da vez que foi ao Rio de Janeiro entrou em uma partida de futebol e arrebentou. Todo mundo gostou dele e um cabra lá queria que ele fizesse um teste no Bangu, pois além de habilidoso era bronco por natureza e, foi-não-foi, sapecava um carrinho ou causava falta mais dura. Voltando ao Logradô (como ele dizia), organizou um time de pelada vermelho e branco em homenagem ao Bangu. Disse que tinha jogado muito e sido campeão carioca, era uma forma de atrair participantes. Se orgulhava de uma bem cuidada e enfeitada bicicleta, improvisando até farol e buzina, novidade a época. Ninguém podia tocá-la, o ciúme era grande.


Bangu Atlético Clube - Site oficial

Fazia todo tipo de brincadeira e participava das quatro festas do ano com afinco. Se era Semana Santa, fazia um judas com capim elefante e corria por todo o povoado. Se era carnaval, vestia-se de papangu cheio de chocalhos, assombrando as crianças mais novas e levando carreira dos cachorros, uma graça só. Na folia de reis, acompanhava a bandinha do maestro Vilô, no São João era puxador de quadrilhas; sua presença era marcante na vida do lugar. Se tinha uma semana morgada, enchia a cara na bodega de Biu e saía bagunçando no meio da rua até levar umas bordoadas, só para não ver a monotonia. Vaquejada era certa sua presença e certa vez em um circo que chegou, virou malabarista e quase foi embora acreditando em seus dotes artísticos.


– Mas vovô, como ele era tão animado. Mas porque morreu? – Ah minha neta, era alegre pra fora, mas infeliz por dentro. Quando fechava a porta de seu barraco e acendia o candeeiro, muitas vezes dava pra ouvir seu choro de tristeza. Com isso, foi perdendo a noção da realidade e a demência tomando conta de seu reino da fantasia. Numa das últimas vezes que o encontrei, estava sujo, maltrapilho, vestido com vários farrapos montado em uma vassoura dizendo ser Napoleão e que ia conquistar o mundo. Foi quando o levaram para uma clínica de loucos e por benevolência cristã pode ainda ser interno no asilo dos Vicentinos onde foi bem cuidado.


A partir de um certo dia começou a recusar a comida e foi definhando, definhando, até nosso bom Deus o libertar para o reino dos céus. Esse foi Zeca Matuto, sempre lembrado com saudade. Barulho de carro e, naquele momento, os pais da gurizada começam a chegar. “Agora venham dar um abraço em vovô e tome um docinho que comprei na rua”, êhhhhhh. O vento sopra frio e leva com ele mais um sábado feliz.


Veja também a crônica 'Sumiço no Mundo-Sertão' no link


Leia, curta, comente e compartilhe com quem você mais gosta!


Publicado na coluna 'Crônica em destaque' do Jornal A União em 20 de maio de 2023.

156 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo

Duas irmãs

2件のコメント


The Mcx
The Mcx
2023年6月22日

Seu Mané Juvino é um Monteiro Lobato da sua região.

いいね!

Marcelo Reul
Marcelo Reul
2023年5月27日

Eitaaaaaaaaa que estás reminiscências do passado só nos fazem viajar no tempo bom que vivemos; somos a última melhor geração que viveu nestas paradas da terra.

E isso devemos aos ensinamentos que recebemos dos nossos pais, que faziam o ensinamento em tudo; até na ajuda que pedia " sem necessidade" para se levantar da rede.

E quantos Zeca Matuto ainda existe, que é feliz por fora, e triste por dentro!

Obrigado professor Thomas!

Suas crônicas nos remete a bons momentos vividos, que não teremos jamais.

いいね!
PR Eletro.JPG
Fabio Santana Corretor.JPG
King Flex.JPG
Anne Closet.JPG
pizza.JPG
Início: Galeria de foto
Início: Blog Feed
DSC_4252.JPG

ENTRE EM CONTATO

  • twitter
  • instagram
  • facebook

Obrigado pelo envio!

Início: Contact
DSCF2988.JPG

DANDO INÍCIO

O começo

Durante anos temos viajado por diversos lugares para o desempenho de pesquisas e também para o deleite do turismo de aventura. Como um observador do cotidiano, das potencialidades dos lugares e das pessoas, tenho escrito muitas dessas experiências de centros urbanos como também de suas serras, montanhas e rios. Isso ocasionou a inspiração de algumas pessoas na ajuda em dicas de viagem.
Em 2005, iniciamos uma série de crônicas e artigos no Jornal Diário da Borborema, em Campina Grande-PB e após anos, assino coluna nos jornais A União e no Contraponto. Com o compartilhamento das crônicas, amigos me encorajaram e finalmente decidi entrar nas redes.
Aqui estão minhas opiniões, paixões, meus pensamentos e questionamentos sobre os lugares e cotidiano. Fundei o Turismo & História com a missão de ser uma janela onde seja possível tocar as pessoas e mostrar um mundo que quase não se vê, num jornalismo literário que fuja do habitual. Aceita o desafio? Vamos lá!

Vamos conectar
Início: Sobre
bottom of page